Bolsonaro destacou a AGU para travar guerra contra a transparência, diz Mello Franco

“O capitão já havia perdido em duas instâncias judiciais. Na sexta-feira, foi salvo por uma canetada do presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha", diz o jornalista Bernardo Mello Franco

Augusto Aras e Jair Bolsonaro
Augusto Aras e Jair Bolsonaro (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Bernardo Mello afirma que Jair Bolsonaro destacou “a Advocacia-Geral da União para travar uma guerra contra a transparência”. “A mando de Bolsonaro, a AGU tenta esconder os exames que atestam se ele contraiu ou não o coronavírus. O capitão já havia perdido em duas instâncias judiciais. Na sexta-feira, foi salvo por uma canetada do presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha”, diz Mello Franco. 

Mello relembra que “em discurso recente, Bolsonaro se referiu a ele como “um amor à primeira vista”. “Ontem o “Valor Econômico” revelou que uma articulação do governo incluiu na pauta da Câmara projeto que cria um tribunal federal em Minas Gerais. O autor da ideia é o ministro Noronha, mineiro de Três Corações”, ressalta o jornalista. 

“Em outra frente, Bolsonaro tenta manter em sigilo o teor da reunião ministerial de 22 de abril e a “AGU já apresentou três recursos para barrar a entrega e a divulgação do vídeo”, afirma.

Agora, avalia Mello Franco, “Tudo poderá ser esclarecido se o ministro Celso de Mello liberar a divulgação do vídeo, que será exibido hoje em sessão reservada”. “Agora ele pode apresentar ao público as verdades que Bolsonaro tenta esconder”, finaliza.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247