Bolsonaro recorre a decretações de sigilo para abafar crises do governo

Governo já impôs sigilo para esconder a carteira de vacinação de Bolsonaro e o processo administrativo contra o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, por exemplo

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e General Augusto Heleno
Jair Bolsonaro e General Augusto Heleno (Foto: Carolina Antunes/PR)


247 - O governo Jair Bolsonaro (PL) tem como prática recorrer a decretações de sigilo, muitas vezes de 100 anos, para abafar crises que possam abalar a gestão federal. 

O caso mais recente foi a tentativa de esconder o número de vezes que pastores lobistas que atuavam no Ministério da Educação entraram no Palácio do Planalto. Além disso, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI) também esconde a quantidade de visitas dos filhos de Bolsonaro ao Planalto.

A Lei de Acesso à Informação (LAI) foi sancionada em 2011 e estabelece que "todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado". 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para fugir das cobranças e fiscalizações, o governo Bolsonaro distorce a ressalva feita pela lei: "aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado". No caso das visitas dos pastores ao Planalto, por exemplo, o GSI argumentou inicialmente - porque depois recuou e divulgou os dados - que a informação poderia colocar em risco a segurança de Bolsonaro e de seus familiares.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Relembre casos colocados sob sigilo pelo governo:

Vacinação

Durante a pandemia de Covid-19, o Planalto decretou sigilo de até 100 anos ao cartão de vacinação de Bolsonaro. Não se sabe, portanto, se ele já se vacinou contra a Covid-19.  Segundo a Presidência da República, os dados "dizem respeito à intimidade, à vida privada, à honra e à imagem" de Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Visita do clã Bolsonaro

Em julho de 2021, o governo impôs sigilo de 100 anos sobre informações dos crachás de acesso ao Planalto emitidos em nome dos filhos de Bolsonaro, Carlos e Eduardo.

Eduardo Pazuello

O ex-ministro da Saúde foi alvo de processo administrativo nas Forças Armadas por ter, como militar da ativa, comparecido a comício político ao lado de Jair Bolsonaro, o que é vedado pelo regimento das forças. O processo foi arquivado. O caso também foi colocado sob sigilo de 100 anos porque, segundo o Exércio, contém informações pessoais.

Valdemar Costa Neto

Assim como as visitas dos filhos de Bolsonaro, foi colocada sob sigilo a agenda do chefe do governo com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto. O PL é o partido que abriga a candidatura de Bolsonaro à reeleição.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email