Coordenador da Fundação Palmares cita Gilberto Freyre e diz que escravo tinha vida 'quase de anjo'

"Na verdade, a escravidão no Brasil agrário-patriarcal pouco teve de cruel. O escravo brasileiro levava, nos meados do século XIX, quase vida de anjo, escreveu Victor Hugo Diogo Barbosa, coordenador de apoio às comunidades quilombolas da Fundação Palmares, nas redes sociais

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Victor Hugo Diogo Barbosa,nomeado para o posto de coordenador de articulação e apoio às comunidades remanescentes dos quilombos da Fundação Palmares, usou as redes sociais para minimizar a crueldade da escravidão no Brasil. Utilizando citações de José Osvaldo de Meira Penna e de Gilberto Freyre, Barbosa disse que o “escravo brasileiro levava, nos meados do século XIX, vida quase de anjo, se compararmos a sua sorte com a dos operários ingleses”. 

"Na verdade, a escravidão no Brasil agrário-patriarcal pouco teve de cruel. O escravo brasileiro levava, nos meados do século XIX, quase vida de anjo, se compararmos sua sorte com a dos operários ingleses, ou mesmo com a dos operários do continente europeu (XIX), postou Barboza citando Gilberto Freyre.

Segundo reportagem da coluna Painel, Barboza – que se identifica como biomédico, advogado e seguidor do guru do bolsonarismo, o astrólogo Olavo de Carvalho – diz que as discussões sobre a escravidão no Brasil possuem “muita propaganda da esquerda visando ao sentimento de revanchismo, raiva, ódio". 

Em outra postagem, Barboza utilizou uma frase atribuída a Meira Penna para afirmar que "se não fosse o colonialismo, ainda estaria hoje a África equatorial na idade da pedra, ao invés de mandar delegados paramentados para a ONU (...) E nós ainda seríamos terra de tapuias, tupinambás e tupiniquins". 

A Fundação Palmares é presidida por Sérgio Camargo. Camargo já atacou o movimento negro e suas lideranças em diversas oportunidades . Ele já chamou Zumbi dos Palmares de “filho da puta” e o movimento negro de “escória maldita”. Camargo também já defendeu o fim do feriado da Consciência Negra e afirmou que a escravidão foi "benéfica para os descendentes" de escravos no país.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247