Defensoria diz que 20% dos presos mortos em massacre no AM não haviam sido julgados

A Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM) afirmou que havia 11 presos provisórios (sem julgamento) no grupo de 55 detentos mortos durante o massacre em quatro cadeias de Manaus (AM); outros 16 já estavam condenados, e 28 eram reincidentes

Defensoria diz que 20% dos presos mortos em massacre no AM não haviam sido julgados
Defensoria diz que 20% dos presos mortos em massacre no AM não haviam sido julgados
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM) afirmou que havia 11 presos provisórios (sem julgamento) no grupo de 55 detentos mortos durante o massacre em quatro cadeias de Manaus (AM), ocorrido entre domingo (26) e segunda-feira (27). Outros 16 já estavam condenados, e 28 eram reincidentes. A entrevista foi concedida à GloboNews.

De acordo com o defensor geral Rafael Barbosa, foi feita uma análise processual dos detentos mortos. 

"Os presos [que foram mortos em 2019] estavam, realmente, com os processos em dia, com andamento atualizado, a maioria com atestado de cumprimento de pena, indicativo de que só seriam liberados em 2022 [ou] 2023. Todavia, é claro que a gente também encontra presos provisórios e é uma preocupação, porque o preso provisório ainda não foi condenado, pode ser absolvido no final do processo e ele não deveria estar no mesmo lugar que os presos definitivos", disse o defensor público.

A maioria das 55 vítimas do massacre desta semana morreu de asfixia ou golpeada por objeto perfurante. Até esta terça-feira, 16 corpos haviam sido liberados. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247