Delegada da PF vê crime de Bolsonaro, de deputado do PSL e de assessor do Planalto no vazamento de dados do ataque hacker ao TSE

Alexandre de Moraes enviará a conclusão do inquérito para a PGR e aguardará uma manifestação para decidir se abre, ou não, ação penal contra os envolvidos

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Alexandre de Moraes
Jair Bolsonaro e Alexandre de Moraes (Foto: Adriano Machado/Reuters | Rosinei Coutinho/SCO/STF)


247 - A delegada da Polícia Federal (PF) Denisse Ribeiro enviou na tarde desta segunda-feira (31) ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, segundo a Folha de S. Paulo, a conclusão das investigações sobre o vazamento de dados da PF acerca do ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O relatório responsabiliza e imputa cometimento de crime a Jair Bolsonaro (PL) pelo vazamento, bem como ao deputado federal Filipe Barros (PSL-PR) e ao ajudante de ordens presidencial Mauro Cid.

Ribeiro diz que a ausência de Bolsonaro no depoimento marcado para a última sexta-feira (28) não trouxe prejuízo aos esclarecimentos dos fatos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

>>> Bolsonaro afronta Moraes, falta a depoimento na PF e recorre ao plenário do STF

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com a conclusão em mãos, Moraes deve encaminhar o documento à Procuradoria-Geral da República (PGR) e aguardar manifestação do órgão para então tomar uma decisão no sentido de abrir, ou não, uma ação penal contra o chefe do Executivo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Presidente do TSE, o ministro Luís Roberto Barroso criticou o chefe do governo federal pelo vazamento que, segundo ele, 'auxilia milícias digitais'.

Presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR) afirmou nesta quarta-feira (2) ser "gravíssima" a conduta de Bolsonaro no caso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 4 de agosto de 2021, Bolsonaro, Barros e o assessor do Planalto divulgaram em live detalhes de inquérito que apurava a divulgação de uma investigação sigilosa aberta em 2018 sobre um ataque hacker no sistema do TSE. O objetivo era descredibilizar o sistema eleitoral brasileiro e as urnas eletrônicas.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email