Empresas ligadas a ex de Bolsonaro podem ter ocultado dinheiro de rachadinha

As empresas, ligadas a Ana Siqueira Valle, realizaram movimentações financeiras consideradas atípicas, segundo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf)

www.brasil247.com - Ana Cristina Siqueira Valle
Ana Cristina Siqueira Valle (Foto: Ana Cristina Siqueira Valle (Reginaldo Teixeira / Reprodução / Facebook))


247 - O Ministério Público suspeita que as sete empresas que tiveram os sigilos bancário e fiscal quebrados pela Justiça do Rio, -- em conjunto com Carlos Bolsonaro e a segunda mulher de Jair Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle --, tenham sido usadas para ocultar dinheiro das "rachadinhas" no gabinete do vereador na Alerj.

A quebra dos sigilos foi autorizada em 24 de maio. As empresas, ligadas a Valle, realizaram movimentações financeiras consideradas atípicas, segundo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Ela foi chefe de gabinete de Carlos Bolsonaro entre 2001 e 2008.

Para o MP, a constatação do Coaf reforça “a hipótese de que [essas empresas] possam ter sido utilizadas para ocultação do desvio dos recursos públicos oriundos do esquema da rachadinha na Câmara de Vereadores”. (Com informações do G1). 

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais: 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email