JBS também delata depósitos para o PT no exterior

Na delação em que implodiu o governo de Michel Temer, levando junto o senador afastado Aécio Neves, o empresário Joesley Batista e o diretor de Relações Institucionais da JB, Ricardo Saud, disseram ter feitos pagamentos de US$ 80 milhões "em favor" dos ex-presidentes Lula e Dilma; segundo os delatores, os pagamentos teriam sido feitos em contas correntes distintas, intermediadas pelo ex-ministro da Fazenda Guido Mantega

Brazil's Finance Minister Guido Mantega gives a news conference in Brasilia, July 22, 2013. Mantega and Planning Minister Miriam Belchior announced a budget cut of close to $5 billion in public spending for the rest of 2013. REUTERS/Fabio Rodrigues-Pozzeb
Brazil's Finance Minister Guido Mantega gives a news conference in Brasilia, July 22, 2013. Mantega and Planning Minister Miriam Belchior announced a budget cut of close to $5 billion in public spending for the rest of 2013. REUTERS/Fabio Rodrigues-Pozzeb (Foto: Aquiles Lins)

247 - Em delações premiadas à Procuradoria Geral da República, o empresário Joesley Batista e o diretor de Relações Institucionais da JB, Ricardo Saud, desseram ter feitos pagamentos de US$ 80 milhões "em favor" dos ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, "mediante depósitos em contas distintas no exterior".

Segundo os delatores, os pagamentos teriam sido feitos em contas correntes distintas, intermediadas pelo ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Os negócios seriam realizados no âmbito do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), da Petros (Fundação Petrobras de Seguridade Social) e da Funcef (Fundação dos Economiários Federais), "com objetivo de beneficiar o grupo empresarial JBS".

Segundo os delatores, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto "solicitou a Joesley Batista a disponibilização de uma conta bancária no exterior para o depósito de valores, com a abertura de uma planilha de conta corrente para que os pagamentos fossem realizados mediante (a) notas fiscais com conteúdo e datas ideologicamente falsos; (b) em dinheiro; (c) depósitos em contas no exterior; (d) doações eleitorais dissimuladas".

Em entrevista à Folha neste mês, o ex-ministro Guigo Mantega negou envolvimento com irregularidades e afirmou que acusações como as de executivos da Odebrecht eram 'ficções' para conseguir fechar delação premiada, histórias "inverossíveis" e sem provas."

Os ex-presidentes Lula e Dilma ainda não se manifestaram sobre as acusações da JBS. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247