Juristas pela Democracia pedem ao MPF investigação sobre ganhos de Moro na Alvarez & Marsal

ABJD pede investigação da "natureza do trabalho" desenvolvido por Moro: "sua atuação foi, desde o início, absolutamente comprometida"

www.brasil247.com - Sergio Moro e Alvarez & Marsal
Sergio Moro e Alvarez & Marsal (Foto: ABr | Reprodução)


247 - A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) entrou nesta terça-feira (25) com uma representação no Ministério Público Federal (MPF) pedindo que o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), declarado parcial pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nos processos contra o ex-presidente Lula (PT) na Lava Jato, seja investigado por seu trabalho na consultoria Alvarez & Marsal, informa Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

Os lucros de Moro na consultoria, que se beneficiou das ações nefastas da Lava Jato, já são alvo de um processo no Tribunal de Contas da União (TCU) e de deputados federais que querem a criação de uma CPI para apurar o caso.

A ABJD pede a "averiguação da natureza do trabalho desenvolvido por Sergio Moro na contratação, e a relação dele com as empresas assessoradas na consultoria, a fim de verificar possível cometimento de ilícitos de caráter penal e uso da operação Lava Jato, que conduziu como juiz, para se favorecer".

Moro, diz a entidade, "teve acesso a informações privilegiadas que possuíam potencial de impacto em favor de seu trabalho na empresa. (...) Sua atuação foi, desde o início, absolutamente comprometida, mesmo que não tenha assinado pareceres ou peças nos casos concretos".

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247