Mandetta diz que vai dialogar com o tráfico e com a milícia

Pertencente a um governo com notórias ligações com as milícias do Rio de Janeiro, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, diz que o diálogo é importante para defender a vida. "A saúde dialoga, sim, com o tráfico, com a milícia, porque eles também são seres humanos e também precisam colaborar, ajudar, participar", acrescenta

(Foto: Isac Nbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), afirmou que a pasta está dialogando com o tráfico e com a milícia para tentar conter a disseminação do coronavírus nas favelas do Rio de Janeiro. O Brasil tem pelo menos 16,2 mil casos e 823 mortes provocadas pela doença. 

"Hoje, começamos o primeiro plano de manejo, e eu não vou dizer em qual comunidade, porque ali você tem que entender a cultura, a dinâmica. Entender que são áreas onde, muitas vezes, o Estado está ausente, onde quem manda é o tráfico, a milícia… Como que a gente constrói esta ponte em nome da vida?", questionou, segundo o jornal O Globo.

"A saúde dialoga, sim, com o tráfico, com a milícia, porque eles também são seres humanos e também precisam colaborar, ajudar, participar. Então, neste momento, quando a gente faz este tipo de colocação, a gente deixa claro que todo mundo vai ajudar, fazer sua parte", acrescenta.

O prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) decretou estado de calamidade na cidade após a confirmação de mortes em favelas da cidade. Estão confirmados seis casos de coronavírus, dois deles na Rocinha. Com mais de 150 mil habitantes, a favela não têm estrutura para suportar a demanda de vítimas do coronavírus. 

"Tem uma avalanche de pessoas nas rua. Acredito que de 60% a 70% das lojas abriram. O mercado popular está funcionando", disse José Martins, do Movimento Rocinha Sem Fronteiras ao jornal.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247