Milton Ribeiro vai ao STF e pede anulação de inquérito por áudio "ilícito"

Advogados de ex-ministro da Educação pedem ao STF que toda investigação seja anulada por se basear em "gravação clandestina"

www.brasil247.com -
(Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República)


Metrópoles - A defesa de Milton Ribeiro pediu nesta terça-feira (5/7) ao STF que reconheça como ilícito um áudio no qual o ex-ministro da Educação disse atender a um pedido do presidente Jair Bolsonaro ao priorizar prefeituras de amigos de pastores evangélicos na liberação de verbas do MEC.

Na peça, endereçada à ministra Cármen Lúcia, relatora do inquérito sobre o tema na Corte, os advogados alegam que a “gravação clandestina” foi “produzida de maneira ilegítima e criminosa”. Por esse motivo, a defesa pede ainda que toda a investigação seja anulada e arquivada.

“REIVINDICA-SE, concessa vênia, com esteio e fundamento no artigo 5º, inciso LVI, da Constituição Federal, amparado na hipótese pelo regramento específico recentemente introduzido nos artigos 8-A, § 4º e artigo 10 ambos da Lei nº 9.296/1996, cumulado na espécie com o artigo 157 e seu § 1º do Código de Processo Penal, O IMEDIATO RECONHECIMENTO DA ILICITUDE DA CRIMINOSA GRAVAÇÃO CLANDESTINA QUE ENSEJOU O PRESENTE INQUÉRITO Nº 4896, bem como tudo e o todo produzido e dessa prova viciada se derivou, já que maculados e infectados pela eiva absoluta da ilicitude”, pedem os advogados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia a íntegra no Metrópoles.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email