Pastores organizavam fila para liberar verbas do MEC aos municípios

Em muitas ocasiões, os encontros eram feitos durante viagens do ministro Milton Ribeiro, em que levava junto equipes do FNDE, além do próprio presidente do fundo

www.brasil247.com - Arilton Moura e Gilmar Santos com Bolsonaro e Milton Ribeiro com Gilmar Santos
Arilton Moura e Gilmar Santos com Bolsonaro e Milton Ribeiro com Gilmar Santos (Foto: Reprodução)


247 - Os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, apontados como integrantes de um gabinete paralelo responsável por indicar a liberação de verbas do Ministério da Educação para municípios, controlavam a agenda do ministro Milton Ribeiro, além de serem responsáveis por organizar a lista das prefeituras que seriam beneficiadas com os recursos da pasta. 

De acordo com a jornalista Malu Gaspar, de O Globo, “um funcionário de alto escalão do ministério que acompanhava o processo, as cidades acertavam a liberação da verba com deputados e senadores, que usavam o chamado orçamento secreto para fazer os repasses aos seus redutos eleitorais”. 

Os recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) eram administrados pelo PP, Republicanos e PL, partidos do centrão que integram a base aliada do governo Jair Bolsonaro. Os pastores faziam a intermediação do processo quando havia atraso na liberação das verbas carimbadas. 

“Um dos ‘rituais’ do lobby dos pastores era organizar grupos de prefeitos para levar ao ministro. Em muitas ocasiões, esses encontros eram feitos durante viagens de Milton Ribeiro, em que levava junto equipes do FNDE e o próprio presidente, Marcelo Lopes da Ponte”, ressalta a reportagem.

Em função da divulgação dos áudios em que o ministro Milton Ribeiro admite priorizar a liberação de verbas para os municípios indicados pelos pastores, de forma a atender um “pedido especial” de Bolsonaro, o centrão vem pressionando para que o atual gestor da pasta seja substituído por Pontes. Pontes já foi chefe de gabinete do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e é homem de confiança de integrantes do PP.

“Milton Ribeiro, que já percebeu que sua permanência no MEC é improvável, tenta emplacar no lugar o secretário-executivo, Victor Godoy, que é ex-auditor da CGU e acumula embates internos com membros do Centrão”, finaliza a reportagem.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247