Zanin: MPF pede condenação de Lula sem provas com base em tese de Dallagnol

"Os procuradores afirmam que "a solução mais razoável é reconhecer a dificuldade probatória" (pág. 53) e pedem a condenação sem provas. Nas alegações finais apresentadas sobre o triplex os procuradores voltaram a insistir em "juízo de convicção" (pág. 52) ao invés de provas", tuitou o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins; segundo ele, as alegações finais apresentadas pelo MPF na última sexta-feira 2 com base em "juízo de convicção" "seguiram a absurda lógica do PowerPoint" do procurador Deltan Dallagnol

"Os procuradores afirmam que "a solução mais razoável é reconhecer a dificuldade probatória" (pág. 53) e pedem a condenação sem provas. Nas alegações finais apresentadas sobre o triplex os procuradores voltaram a insistir em "juízo de convicção" (pág. 52) ao invés de provas", tuitou o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins; segundo ele, as alegações finais apresentadas pelo MPF na última sexta-feira 2 com base em "juízo de convicção" "seguiram a absurda lógica do PowerPoint" do procurador Deltan Dallagnol
"Os procuradores afirmam que "a solução mais razoável é reconhecer a dificuldade probatória" (pág. 53) e pedem a condenação sem provas. Nas alegações finais apresentadas sobre o triplex os procuradores voltaram a insistir em "juízo de convicção" (pág. 52) ao invés de provas", tuitou o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins; segundo ele, as alegações finais apresentadas pelo MPF na última sexta-feira 2 com base em "juízo de convicção" "seguiram a absurda lógica do PowerPoint" do procurador Deltan Dallagnol (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula, comentou no Twitter o pedido feito na última sexta-feira 2 pelo Ministério Público Federal para a condenação do petista no caso do triplex do Guarujá, litoral paulista.

"Os procuradores afirmam que 'a solução mais razoável é reconhecer a dificuldade probatória' (pág. 53) e pedem a condenação sem provas. Nas alegações finais apresentadas sobre o triplex os procuradores voltaram a insistir em 'juízo de convicção' (pág. 52) ao invés de provas", escreveu o advogado.

Segundo ele, as alegações finais apresentadas pelo MPF na última sexta-feira 2 com base em "juízo de convicção" "seguiram a absurda lógica do PowerPoint" do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato.

"O procurador Dallagnol jamais apareceu nas audiências do caso do triplex. Foram 27. Vale o 'juízo de convicção', diz suas alegações finais", criticou. "Além de pedir a condenação de Lula sem provas com base nas teorias de Dallagnol, a peça de sexta também recorre a afirmações políticas. Ao contrário do que pensa Dallagnol a literatura não permite a condenação sem provas incontestáveis. Muito menos para fins políticos", acrescentou.

Ele informa ainda que, "salvo alguma modificação", a defesa apresentará no próximo dia 22 de junho as alegações finais de Lula, "mostrando que sua inocência foi provada no caso triplex".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247