Ernesto Araújo, que falou em 'comunavírus' e 'pesadelo comunista', mente à CPI e diz nunca ter feito ataques à China

"Não vejo hostilidade em relação à China", disse, em depoimento na CPI da Covid, o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, que em abril de 2020 escreveu sobre "comunavírus" e "vírus ideológico" para se referir ao país asiático. "Não vejo nada de ofensivo à China", disse nesta terça. "Como é que não é ofensivo?", questionou Omar Aziz

www.brasil247.com - Ex-chanceler Ernesto Araújo
Ex-chanceler Ernesto Araújo (Foto: Jefferson Rudy - Ag. Senado)


247 - Em depoimento na CPI da Covid nesta terça-feira (18), o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo negou que tenha causado conflitos diplomáticos com a China e ouviu do senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da Comissão, que estava mentindo sistematicamente. 

Araújo usou os termos "comunavírus", "vírus ideológico" e apontou ameaça de "pesadelo comunista" em artigo publicado em seu blog pessoal em abril de 2020 ao se referir à China. No depoimento desta manhã, o ex-chanceler disse que o texto era uma interpretação sua do artigo de outro autor, o renomado filósofo Slavoj Zizek, que já desmentiu Ernesto Araújo na ocasião. "Ele não entendeu a questão", afirmou o intelectual.

À CPI, o ex-chanceler disse que não teve responsabilidade com os conflitos com o país asiático. "Minha responsabilidade, entendo que nenhuma. Nada que tenha feito pode ser interpretado como percalços no recebimento de insumos", disse. "Não vejo hostilidade em relação à China", acrescentou. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ernesto Araújo, que deixou o Ministério das Relações Exteriores no final de março, afirmou que suas expressões não foram 'ofensivas'. "Não vejo nada de ofensivo à China". "Como é que não é ofensivo?", questionou Aziz. "Nossa relação com a China é muito antiga para que a gente jogue tudo por água abaixo", continuou o senador, fazendo um retrospecto sobre a importância da relação comercial entre Brasil e China.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Ministério das Relações Exteriores também enviou, em novembro de 2020, uma nota para a embaixada da China respondendo crítica do país asiático contra o ataque feito por Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), chegando a pedir retratação do embaixador chinês no Brasil. Também sugeriu que a China estaria tentando 'controlar o mundo'.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No Senado, Araújo declarou sobre o episódio: "Não saí em defesa do filho do presidente. Mas o embaixador tinha feito postagem ofensiva, que extrapolava às funções dele".

Assista ao vivo na TV 247:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email