Confiança do setor de serviços sobe em julho, diz FGV

Índice de Confiança de Serviços (ICS) do Brasil voltou a subir em julho e devolveu parte da queda observada no mês anterior, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV; ICS de julho avançou 1 ponto e atingiu 82,9 pontos, depois de ter recuado 2,8 pontos no mês anterior, no que foi a maior queda desde setembro de 2015

serviços
serviços (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O Índice de Confiança de Serviços (ICS) do Brasil voltou a subir em julho e devolveu parte da queda observada no mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira.

Em julho, o ICS avançou 1 ponto e atingiu 82,9 pontos, depois de ter recuado 2,8 pontos no mês anterior, no que foi a maior queda desde setembro de 2015.

"Os resultados... sugerem a retomada da tendência de melhora gradual nas avaliações sobre a situação corrente dos negócios e acomodação das expectativas, que haviam piorado muito no mês passado", disse o consultor do FGV/IBRE Silvio Sales em nota.

A melhora ocorreu mesmo em um ambiente de elevada incerteza política no país em decorrência da crise envolvendo o governo do presidente Michel Temer, que tem afetado a confiança dos agentes econômicos.

O avanço da confiança de serviços em julho teve como principal pano de fundo a melhora do Índice de Situação Atual (ISA-S), que subiu 1,1 ponto para 78,6. O índice foi puxado pela a melhora da demanda atual, que subiu 2 pontos, para 78,8 pontos, nível mais elevado desde fevereiro de 2015.

O Índice de Expectativas (IE-S) teve alta de 0,9 ponto para 87,4 pontos, por causa da melhora da demanda esperada para os três meses seguintes. O indicador de demanda prevista subiu 1,1 ponto, para 85,8 pontos.

"A leitura mais favorável sobre a situação corrente parece se refletir no indicador que capta as perspectivas para o emprego no setor", apontou Sales.

"O indicador de tendência de pessoal ocupado cresce pelo terceiro mês consecutivo, se aproxima dos 100 pontos e sinaliza uma transição entre fases de desmobilização e expansão do efetivo de mão de obra no setor", avalia Silvio.

Por Luiz Guilherme Gerbelli

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247