Mercadante: Bolsonaro acabou de forma criminosa com os estoques de arroz

De acordo com ex-ministro Aloizio Mercadante, o governo acabou com os estoques de arroz do país, aumentou as exportações do item e descumpre a lei regulatória que garante segurança alimentar para a população. “O que o governo Bolsonaro está fazendo é um crime”, disse

Aloizio Mercadante, Bolsonaro com Paulo Guedes e arroz
Aloizio Mercadante, Bolsonaro com Paulo Guedes e arroz (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

iten247 - “Estamos enfrentando uma situação dramática no Brasil”. Essa é constatação do ex-ministro Aloizio Mercadante ao descrever a crise alimentar que o Brasil enfrenta. Ele explicou que o governo acabou com os estoques de arroz do país, aumentou as exportações do item e descumpre a lei regulatória que garante segurança alimentar para população. 

Em alguns supermercados, o pacote de 5 quilos de arroz já ultrapassa o valor de R$40,00 e pode ser parcelado em 8 vezes no cartão de crédito. 

Em entrevista concedida à TV 247 nesta quinta-feira (10), Mercadante explicou que, “em 2013, tínhamos 944 toneladas de arroz estocados, em 2015, mais de 1 milhão de toneladas. Hoje, são apenas 22 toneladas, não garante uma semana de consumo no país, ou seja, não existe mais estoque”. 

Ele ainda apontou que itens essenciais da cesta básica como feijão e farinha de trigo também já estão sem estoque. 

O ex-ministro informou que 90% da área plantada hoje no Brasil é de soja e milho, “esmagando a agricultura familiar na produção de itens que são essenciais, como arroz e feijão”. “A preocupação é apenas em atender o mercado externo, não existe nenhum plano de atender o consumo interno e matar a fome do povo”, acrescentou.

De acordo com Mercadante, o governo “jogou nos braços do mercado a regulamentação do preço da cesta básica”. “Então o povo ficou entre o pescoço e a guilhotina. As pessoas são obrigadas a comer e não tem oferta, volume, estoque ou importação desses alimentos”. 

Inscreva-se na TV 247 e confira: 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247