Nelson Barbosa diz que juros deveriam estar mais baixos

Na avaliação do ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa, a taxa de juros no Brasil deveria cair ainda mais; "O Copom reduziu a Selic para 7,5% na quarta-feira (25). A decisão frustrou quem esperava alguma ousadia de nosso Banco Central (de onde menos se espera... daí que não sai nada mesmo). (...) É possível a Selic mergulhar bem abaixo de 7%? Sim, é possível, desde que o atual Copom faça uma coisa que ele nunca fez até agora: arriscar errar na dose para menos", escreve

BRAS�LIA, DF, BRASIL, 19-02-2016, 16h30: O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e o ministro do Planejamento, Valdir Sim�o, anunciam os cortes no Or�amento e mudan�as fiscais para 2016. (Foto: Marcelo Camargo/Ag�ncia Brasil)
BRAS�LIA, DF, BRASIL, 19-02-2016, 16h30: O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e o ministro do Planejamento, Valdir Sim�o, anunciam os cortes no Or�amento e mudan�as fiscais para 2016. (Foto: Marcelo Camargo/Ag�ncia Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em artigo publicado nesta sexta, o ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa criticou as políticas de juros do Copom.

Confira abaixo alguns trechos do texto:

"O Copom reduziu a Selic para 7,5% na quarta-feira (25). A decisão frustrou quem esperava alguma ousadia de nosso Banco Central (de onde menos se espera... daí que não sai nada mesmo).

Agora a expectativa é de novo corte em novembro, para 7%, e depois estabilidade em torno de tal valor, pelo menos até meados de 2018.

É possível a Selic mergulhar bem abaixo de 7%? Sim, é possível, desde que o atual Copom faça uma coisa que ele nunca fez até agora: arriscar errar na dose para menos. Explico.

A taxa básica de juro real compatível com a estabilidade da inflação —que nós, economistas, chamamos de taxa de juro natural— é uma variável não observável que muda ao longo do tempo.

(...)

Quando a taxa básica de juro cai muito abaixo do seu nível natural, a inflação sobe e o BC revê suas decisões. Foi isso que aconteceu em 2013-15, quando o BC elevou a Selic de 7,25% para 14,25% (sim, Tombini corrigiu seu erro inicial com um ajuste maior para cima).

Análises recentes indicam que a redução dos juros foi correta na passagem de 2011-12. A Selic caiu quando tinha que cair. O problema foi que ela demorou a subir quando isso foi necessário.

Agora vivemos a situação oposta, pois a Selic demorou a cair quando isso foi necessário. Nos últimos 12 meses, a inflação diminuiu rapidamente (ainda bem), puxada pela forte desaceleração dos preços dos alimentos (ufa) e pelo movimento global de apreciação de moedas de países emergentes (até quando ninguém sabe)."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247