Para conter deficit, governo cogita Cide e faz corte no Bolsa Família

Equipe de Henrique Meirelles considera elevar a Cide para evitar que a meta fiscal de 2017 atinja os R$ 170,5 bilhões de deficit deste ano; antes disso, o interino Michel Temer cortará 30 mil beneficiários do Bolsa Família que têm empresas ativas gerando faturamento, o que é irregular; também edita nesta quarta medida provisória com um pente fino no pagamento de 880 mil pessoas que recebem auxílio-doença há dois anos ou mais

Brasilia - O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, empossa hoje Luiz Awazu Pereira no cargo de diretor de Assuntos Internacionais.
Brasilia - O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, empossa hoje Luiz Awazu Pereira no cargo de diretor de Assuntos Internacionais. (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A equipe econômica do governo interino considera elevar a Cide para evitar que a meta fiscal de 2017 atinja os R$ 170,5 bilhões de deficit deste ano, segundo a colunista Natuza Nery.

Antes disso, Michel Temer cortará 30 mil beneficiários do Bolsa Família que têm empresas ativas gerando faturamento, o que é irregular. Também edita nesta quarta medida provisória com um pente fino no pagamento de 880 mil pessoas que recebem auxílio-doença há dois anos ou mais.

O governo pode também “vender” R$ 30 bilhões de dívidas de credores da União — a chamada securitização da dívida ativa. O Tesouro tem ressalvas, mas a conta é atrativa.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247