"Se querem ajudar Cuba, a melhor forma é suspender o embargo", diz Celso Amorim

O diplomata lembrou que a suspensão do bloqueio contra Cuba foi exigido pela “quase totalidade dos membros da ONU” e “o Brasil vergonhosamente se absteve dessa resolução”, que condena o embargo

www.brasil247.com -
(Foto: ABr | Reuters)


247 - Diante das manifestações contra o governo de Cuba, que iniciaram neste domingo, 11, o ex-ministro Celso Amorim afirmou que, para ajudar o país, “a melhor coisa é suspender o bloqueio”. “É o que mais ajuda”, destacou durante entrevista à TV 247 nesta segunda-feira, 12.

O diplomata lembrou que a suspensão do bloqueio contra Cuba foi exigido pela “quase totalidade dos membros da ONU”. “O Brasil vergonhosamente se absteve dessa resolução [que condena o embargo]. No ano passado, foi pior, porque votou contra [a resolução]”, destacou.

Na ONU, o Brasil se absteve de condenar o bloqueio criminoso contra o país caribenho, junto com Colômbia e Ucrânia, regimes controlados pela direita.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda, Amorim lembrou que o “embargo foi agravado durante o governo Trump”, de extrema-direita, “e, para surpresa minha, nossa e de muita gente, não veio nenhum alívio no governo Biden”, atual presidente dos Estados Unidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se na TV 247, seja membro, e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email