Hyuri, do Atlético-GO, protesta contra sentença que inocentou André Aranha, estuprador de Mariana Ferrer

O atacante, durante o minuto de silêncio, ergueu a mão esquerda, que continha um ‘X’, que é um gesto feminista

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Hyuri, atacante do Atlético-GO, realizou, durante a partida entre seu clube e o Internacional válida pelas oitavas de final da Copa do Brasil na última terça-feira (3), um gesto de protesto contra a sentença que inocentou André Aranha, estuprador de Mariana Ferrer.

Durante o minuto de silencio às vítimas da Covid-19, o jogador ergueu a mão esquerda, que continha um ‘X’, que é um gesto feminista.

Conforme revelado no Uol, Hyuri se indignou com o caso após assistir o vídeo divulgado pelo site The Intercept, que mostra a humilhação sofrida pela vítima durante o julgamento.

"Pensei, pensei e deixei passar, ainda angustiado. Mas, no caminho do hotel até o estádio, tive a ideia de fazer o X na mão — já tinha visto esse ato em outros protestos contra violência contra a mulher. Não comentei com ninguém do clube nem com minha esposa. Entendi que seria um gesto simples que conseguiria transmitir a mensagem que eu queria", diz.

Hyuri ainda pediu que jogadores e outras pessoas com alta visibilidade pública façam o mesmo: "Nós, jogadores, atletas, não temos noção da força que temos. Com essa força, a gente pode dar voz a assuntos importantes para a sociedade. Se eu não usar o tamanho da voz que tenho para lutar por causas sociais, deixarei de passar para frente um conhecimento que pode salvar vidas", acrescentou. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247