Comissão no Senado aprova redução da dívida da Celg

Relatório do senador Eunício Oliveira, com a manutenção da emenda na MP 677, que converte a dívida da Celg Distribuição com Itaipu Binacional de dólares (US$) para reais (R$), foi aprovado na Comissão Mista; com a aprovação, a dívida da estatal com Itaipu ficará cerca de R$ 500 milhões menor do que o valor atual; é mais um avanço no processo de venda da Celg, que já foi autorizada pelo governo federal; governo de Goiás esperar obter R$ 5 bilhões com a venda e recursos serão investidos em obras de infraestrutura

Relatório do senador Eunício Oliveira, com a manutenção da emenda na MP 677, que converte a dívida da Celg Distribuição com Itaipu Binacional de dólares (US$) para reais (R$), foi aprovado na Comissão Mista; com a aprovação, a dívida da estatal com Itaipu ficará cerca de R$ 500 milhões menor do que o valor atual; é mais um avanço no processo de venda da Celg, que já foi autorizada pelo governo federal; governo de Goiás esperar obter R$ 5 bilhões com a venda e recursos serão investidos em obras de infraestrutura
Relatório do senador Eunício Oliveira, com a manutenção da emenda na MP 677, que converte a dívida da Celg Distribuição com Itaipu Binacional de dólares (US$) para reais (R$), foi aprovado na Comissão Mista; com a aprovação, a dívida da estatal com Itaipu ficará cerca de R$ 500 milhões menor do que o valor atual; é mais um avanço no processo de venda da Celg, que já foi autorizada pelo governo federal; governo de Goiás esperar obter R$ 5 bilhões com a venda e recursos serão investidos em obras de infraestrutura (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Goiás 247 - A Comissão Mista da Medida Provisória 677 aprovou ontem, no Senado, o texto da matéria com a manutenção da emenda que converte a dívida da Celg Distribuição com Itaipu Binacional de dólares (US$) para reais (R$). Aprovado no Senado, o texto tem de ser aprovado agora na Câmara dos Deputados.

Com a aprovação da desdolarização, a dívida da estatal com Itaipu ficará cerca de R$ 500 milhões menor do que o valor atual, com a moeda norte-americana valendo R$ 4,10. O texto da MP autoriza a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco a participar do Fundo de Energia do Nordeste, com o objetivo de prover recursos para a viabilização de empreendimentos de energia elétrica.

A Medida Provisória (as MPs são iniciativas da Presidência da República) também altera duas leis que tratam dos fundos de compensação e das regras de distribuição da energia elétrica –as lei números 11.943, de 28 de maio de 2009, e 10.848, de 15 de março de 2004. A ata da reunião da comissão informa que "é aprovado o relatório do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), que passa a constituir Parecer da Comissão, o qual conclui pela constitucionalidade e juridicidade da Medida Provisória nº 677, de 2015".

A ata afirma ainda que o relatório mantém o "atendimento dos pressupostos de relevância, urgência e adequação financeira e orçamentária” e “aprova 16 das 122 emendas apresentadas ao texto original, entre elas a que converte a dívida da Celg D para reais”. A conversão da dívida foi tema de audiência pública no Senado, na última segunda-feira.

Na audiência pública, o presidente da Celg Par, Fernando Navarrete, fez um balanço do processo de recuperação econômico-financeiro da Celg D e apresentou as vantagens da desdolarização. Ao defender a emenda, o presidente da Celg Para fez um histórico da composição desta dívida partindo da repactuação de todas as dívidas da companhia a partir de 2012, medida fundamental para se pleitear a prorrogação da concessão.

“Desde o segundo semestre de 2012 até os dias de hoje, temos trabalhado para que as condições de gestão pudessem ser alcançadas”, disse Navarrete. O executivo explicou que a Celg está diante de uma medida legislativa que busca corrigir uma distorção em uma das suas dividas.

Navarrete relatou ainda que desde aquele ano a Celg tem feito gestões junto ao Ministério de Minas e Energia e à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para demonstrar que a dívida, tal como estava posta, era impagável. “No final de 2014, nos restou a possibilidade ou de judicializar essa questão ou trazê-la como conflito federativo”, afirmou.

Segundo Navarrete, a proposta de federalização da Celg D apresentada em 2011, primeiro ano da terceira gestão do governador Marconi Perillo, se comprovou mais vantajosa, porque dividiu de forma equânime, entre o Estado e a União, a responsabilidade pela gestão das dívidas da empresa.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247