Internauta afirma que perdeu o pai para a Covid-19 e para “o discurso genocida que minimiza a pandemia”

"Perdi meu pai para a Covid-19 e para a desinformação. Ele precisava trabalhar e acreditou no discurso genocida q minimiza a pandemia", disse o internauta identificado como Bruno

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um internauta identificado como Bruno fez um apelo dramático após perder o pai que, segundo ele, "acreditou no discurso genocida que minimiza a pandemia". 

"Perdi meu pai para a Covid-19 e para a desinformação. Ele precisava trabalhar e acreditou no discurso genocida q minimiza a pandemia. O último áudio do meu pai foi falando q subestimou o vírus e a importância da quarentena. Que sirva de exemplo. Para que menos filhos chorem", escreveu o internauta em sua conta no Twitter.

"Agradeço cada palavra de conforto e apoio. Infelizmente não consigo responder individualmente. Mas, em tempos de isolamento social, o carinho virtual é uma arma poderosa p/ passarmos por essa crise da melhor forma possível. Continuem fazendo o mundo mais carinhoso! Vale muito", acrescentou.

 

Vale ressaltar que Jair Bolsonaro voltou a minimizar os efeitos do coronavírus. Ele disse haver "uma propaganda muito forte em cima disso" e já havia classificado a Covid-19 como uma "gripezinha". 

De acordo com a plataforma Worldometers, que disponibiliza o ranking de confirmações por países, tem 20,1 mil mortes causadas pela doneça, ocupando a sexta posição em número de óbitos por conta da Covid-19. O País registra pelo menos 312 mil casos de coronavírus (terceira colocação no ranking global).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247