Primeiro mutirão de Iris vira palco de protesto

Ação com serviços da prefeitura foi realizada na Região Norte, mas foi ofuscada pelo protesto de professores municipais contra o prefeito Iris Rezende (PMDB); servidores cobraram a devolução do pagamento cortado durante o período em que estiveram em greve; Iris ignorou os gritos e respondeu: "A justiça considerou a greve ilegal e uma multa de R$ 100 mil por dia, eu não sou culpado, não tenho culpa. Eles mesmos que buscaram esta situação. Vão reclamar lá para a Justiça"; professores também pressionaram a primeira-dama Dona Iris  

Ação com serviços da prefeitura foi realizada na Região Norte, mas foi ofuscada pelo protesto de professores municipais contra o prefeito Iris Rezende (PMDB); servidores cobraram a devolução do pagamento cortado durante o período em que estiveram em greve; Iris ignorou os gritos e respondeu: "A justiça considerou a greve ilegal e uma multa de R$ 100 mil por dia, eu não sou culpado, não tenho culpa. Eles mesmos que buscaram esta situação. Vão reclamar lá para a Justiça"; professores também pressionaram a primeira-dama Dona Iris
 
Ação com serviços da prefeitura foi realizada na Região Norte, mas foi ofuscada pelo protesto de professores municipais contra o prefeito Iris Rezende (PMDB); servidores cobraram a devolução do pagamento cortado durante o período em que estiveram em greve; Iris ignorou os gritos e respondeu: "A justiça considerou a greve ilegal e uma multa de R$ 100 mil por dia, eu não sou culpado, não tenho culpa. Eles mesmos que buscaram esta situação. Vão reclamar lá para a Justiça"; professores também pressionaram a primeira-dama Dona Iris   (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Jornal Opção (Marcelo Gouveia) - O primeiro mutirão da atual gestão do prefeito Iris Rezende (PMDB), que ocorreu neste sábado (3) no Parque da Flores e Loteamento Mansões Goianas, na região norte da capital, teve início com protesto de professores ligados ao Sindicato Municipal dos Trabalhadores da Educação (Simsed).

O peemedebista chegou ao local sob vaias dos manifestantes, que protestaram contra o corte de salários durante o período de greve da categoria. Os professores também pediram melhores condições de trabalho e o fim da perseguição da atual gestão contra os trabalhadores da educação.

Vídeo publicado pelo ex-vereador Djalma Araújo nas redes sociais mostra manifestantes confrontando o prefeito e a primeira-dama Dona Íris sobre os valores que não foram pagos aos grevistas.

Na gravação, enquanto os professores entoam em coro: “Iris caloteiro, devolve o meu dinheiro” e “Iris ladrão, roubou a educação”, uma manifestante questiona a primeira-dama sobre a situação dos professores que ficaram sem receber. “É comigo?”, responde a ex-deputada, que segue o trajeto. (Assista abaixo)

Resposta

Durante o mutirão, Iris se recusou a falar com a categoria. Em entrevista coletiva, entretanto, rebateu os argumentos da categoria e disse que, em sua administração, “quem não trabalha, também não recebe”.

“A justiça considerou a greve ilegal e uma multa de R$ 100 mil por dia, eu não sou culpado, não tenho culpa. Eles mesmos que buscaram esta situação. Vão reclamar lá para a Justiça. Você não tem notícia de uma pessoa que esteja ganhando sem trabalhar. Estes protestos não me atingem, não são comigo”, asseverou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247