Globo reconhece que Moro ajudou Bolsonaro a se eleger e prevê Dallagnol punido

“As perspectivas não são animadoras para a maior iniciativa contra corruptos da nossa história”, diz editorial do jornal O Globo, cujos donos foram denunciados pelo doleiro Dario Messer

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em editorial publicado nesta segunda-feira, o jornal O Globo, dos irmãos Marinho, reconhece, pela primeira vez, que o ex-juiz Sergio Moro ajudou Jair Bolsonaro a se eleger e prevê punições para a Lava Jato. “A Operação Lava-Jato tentará amanhã desarmar mais um mecanismo implantado pelo procurador-geral Augusto Aras para implodi-la. Afastado do governo o ex-juiz Sergio Moro — que ajudou Jair Bolsonaro a se eleger envolto na bandeira anticorrupção —, chega a hora de Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa original e outro símbolo da operação, encarar o impacto das articulações para atingi-lo e a todo o sistema de investigações montado a partir de Curitiba”, aponta o texto.

Segundo o editorial, Dallagnol corre risco. “O CNMP não está completo: de 14 membros, só 11 participarão do julgamento, porque há três vagas não preenchidas. Duas são de representantes do MP. Se Dallagnol receber seis votos condenatórios, estará fora da Lava-Jato. Restará recorrer ao STF, na tentativa de se salvar”, aponta o editorial. “Quanto à operação, seu destino dependerá de duas outras frentes: o embate no Supremo sobre as acusações de parcialidade contra Moro, e a tentativa de Aras para barrar a renovação das forças-tarefas. As perspectivas não são animadoras para a maior iniciativa contra corruptos da nossa história.”

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247