Na edição da mentira, Veja nega "guerra psicológica"

Folha, Estado, Globo, colunistas políticos... todos demonstraram irritação contra a expressão "guerra psicológica", usada pela presidente Dilma Rousseff contra setores da sociedade que instilam pessimismo injustificado na economia; só faltava Veja, a mesma que revista que apostou na inflação do tomate e no dólar a R$ 3; agora, não falta mais: revista nega jogar ou torcer contra País, na mesma edição em que afirma que alguém mentirá para você ainda hoje; verdade ou mentira?

Folha, Estado, Globo, colunistas políticos... todos demonstraram irritação contra a expressão "guerra psicológica", usada pela presidente Dilma Rousseff contra setores da sociedade que instilam pessimismo injustificado na economia; só faltava Veja, a mesma que revista que apostou na inflação do tomate e no dólar a R$ 3; agora, não falta mais: revista nega jogar ou torcer contra País, na mesma edição em que afirma que alguém mentirá para você ainda hoje; verdade ou mentira?
Folha, Estado, Globo, colunistas políticos... todos demonstraram irritação contra a expressão "guerra psicológica", usada pela presidente Dilma Rousseff contra setores da sociedade que instilam pessimismo injustificado na economia; só faltava Veja, a mesma que revista que apostou na inflação do tomate e no dólar a R$ 3; agora, não falta mais: revista nega jogar ou torcer contra País, na mesma edição em que afirma que alguém mentirá para você ainda hoje; verdade ou mentira? (Foto: Leonardo Attuch)

247 - O time está completo. Editorialistas da Folha de S. Paulo, do Globo, do Estado de S. Paulo e colunistas como Merval Pereira e Eliane Cantanhêde – ou seja, todos aqueles que fazem permanente "guerra psicológica" contra o governo – já haviam condenado o uso dessa mesma expressão pela presidente Dilma Rousseff no seu pronunciamento do último fim de semana.

Só faltava a revista Veja, a mesma publicação que apostou em teses como a inflação do tomate e o dólar a R$ 3, em algumas capas recentes.

Bem, não falta mais. Neste fim de semana, a edição de Veja, cuja capa é dedicada ao tema da mentira, nega que a revista faça qualquer tipo de "guerra psicológica" contra o País ou contra o governo. 

Na reportagem interna, chamada "É um papo muito cabeça", Veja afirma que Dilma usou uma expressão típica da ditadura militar, que "a prendeu e torturou", e que isso seria um exemplo de "síndrome de Estocolmo", como se Dilma estivesse emulando os generais. A revista também sugere que ela pare com esse tipo de retórica, porque corre o risco de, em breve, estar repetindo slogans como "Brasil: ame-o ou deixe-o".

Assim como os demais veículos que negaram fazer "guerra psicológica", Veja se colocou na posição de quem faz críticas construtivas. E reconheceu até avanços do governo Dilma. "A presidente Dilma entra na campanha como favorita. Na área social, os programas governamentais de combate à pobreza têm mostrado resultados. Mesmo na economia, há alguns trunfos. O ritmo de contratações perdeu força, mas as empresas continuam abrindo vagas. A taxa de desemprego, de apenas 4,6% da população ativa, nunca foi tão baixa", diz Veja.

De fato, o desemprego na mínima da série histórica é um bom trunfo da presidente Dilma neste ano de 2014.


Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247