Noblat: Dilma tentará voltar, mesmo se for afastada

Segundo o colunista do Globo, a presidente "imagina que ainda terá chances de retomar o cargo, mesmo se afastada dele por um prazo máximo de 180 dias"; "A renúncia esvaziaria o discurso de que ela foi vítima de um golpe parlamentar. E não combinaria com a imagem que ela tanto preza de mulher de coração valente, capaz de enfrentar toda a sorte de sofrimentos sem se acovardar", escreve Ricardo Noblat

Segundo o colunista do Globo, a presidente "imagina que ainda terá chances de retomar o cargo, mesmo se afastada dele por um prazo máximo de 180 dias"; "A renúncia esvaziaria o discurso de que ela foi vítima de um golpe parlamentar. E não combinaria com a imagem que ela tanto preza de mulher de coração valente, capaz de enfrentar toda a sorte de sofrimentos sem se acovardar", escreve Ricardo Noblat
Segundo o colunista do Globo, a presidente "imagina que ainda terá chances de retomar o cargo, mesmo se afastada dele por um prazo máximo de 180 dias"; "A renúncia esvaziaria o discurso de que ela foi vítima de um golpe parlamentar. E não combinaria com a imagem que ela tanto preza de mulher de coração valente, capaz de enfrentar toda a sorte de sofrimentos sem se acovardar", escreve Ricardo Noblat (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A presidente Dilma Rousseff já dá como certo que a comissão especial do impeachment no Senado aprovará o processo, assim como o plenário da Casa, afastando-a por 180 dias e entregando a presidência da República ao vice Michel Temer. Quem escreve é o colunista do Globo Ricardo Noblat.

Segundo ele, porém, Dilma não desistirá do mandato e tentará até o fim voltar, mesmo após o afastamento. Dilma "imagina que ainda terá chances de retomar o cargo, mesmo se afastada dele por um prazo máximo de 180 dias", escreve ele.

"Tudo irá depender, conforme os cálculos de Dilma, do placar no plenário e, depois, do desempenho dos primeiros meses do governo Temer", acrescenta o colunista.

"A renúncia esvaziaria o discurso de que ela foi vítima de um golpe parlamentar. E não combinaria com a imagem que ela tanto preza de mulher de coração valente, capaz de enfrentar toda a sorte de sofrimentos sem se acovardar", afirma.

Leia aqui a íntegra.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247