Sabino, seis semanas depois, cai da CDN

Ex-redator chefe da revista Veja no dura dois meses no cargo de vice presidente de Relaes com o Governo da empresa de Joo Rodarte ( dir.); sada confirma 247, que alertou o desastre poltico que a contratao iria acarretar; leia e relembre

Sabino, seis semanas depois, cai da CDN
Sabino, seis semanas depois, cai da CDN (Foto: Divulgação)

247 – Não durou seis semanas a presença do ex-redator chefe da revista Veja Mario Sabino pelo cargo de vice-presidente para o Setor Público da Companhia de Notícias, uma das maiores agências de assessoria de imprensa e relações públicas do País. A dificuldade na convivência de Sabino com os interesses corporativos da CDN, como a empresa é conhecida, fora adiantada por 247 no texto que pode ser lido aqui, publicado em janeiro. Alertávamos que, na qualidade de principal desafeto dos governos Lula e Dilma Rousseff – e sem amigos na imprensa --, Sabino acarretaria à CDN um peso político negativo difícil de ser carregado pelo presidente da empresa, João Rodarte, e todos os seus colaboradores. Foi o que aconteceu, e com uma brevidade que só confirma o vaticíneo.

A CDN confirmou ao 247 a informação sobre a saída abrupta de Sabino, que havia sido saudado pelo próprio Rodarte, na data de sua entrada, menos de seis semanas atrás, repita-se, como a principal contratação da organização nos últimos tempos.

Jornalista sem ambiente de convívio na imprensa, onde coleciona desafetos e exibe apenas um amigo – o colunista Reinaldo Azevedo, da mesma Veja de onde foi defenestrado em dezembro --, Sabino, diz uma versão, abrirá sua própria empresa. Na CDN, porém, o que se informa é que ele aceitou um convite de trabalho anterior ao da própria CDN. Nesse caso, não se sabe porque, afinal, ele aceitara um cargo tão importante na CDN, com alto salário, para em seguida abandoná-lo. Houve um leilão?

Uma terceria versão, ventilada com força, dá conta, sim, da demissão pura e simples de Sabino, feita pelo comando da CDN em razão de trapalhadas cometidas por ele na coordenação da conta de assessoria de imprensa do Banco do Brasil. Em nota, a CDN negou a versão: "Com relação ao noticiário sobre a CDN, esclareço que o jornalista Mario Sabino trabalhou na agência do dia 14 a 27 de fevereiro, desligando-se espontaneamente para seguir outro caminho profissional. Neste curto período, Sabino em nenhum momento prestou serviços ao Banco do Brasil nem manteve qualquer contato com pessoas do banco, que é nosso cliente há dez anos".

Para quem comandou, em Veja, uma reportagem que terminou numa delegacia de polícia, com o repórter suspeito de invasão de domicílio, também é plausível. Bem plausível.

Em meio a todas as obscuridades que cercam a carreira e as saidas de Sabino, o que fica claro é:

1 – O fim da carreira na CDN, agora, é a confirmação de que ele também fora demitido de Veja – e não pedira a própria saída, como tentou-se vender à mídia;

2 – Ele também foi exonerado da CDN, como fica claro pelo choque de versões entre aceitar um convite e abrir seu próprio negócio;

3 – À exceção do blogueiro de direita Azevedo, Sabino não tem interlocutores na imprensa, o que o impede de fazer o trabalho de relacionamento entre fontes e jornalistas, especialidade da CDN;

4 – Sua ausência da empresa de comunicação preencherá uma ampla lacuna;

5 – 247, como diz o ditado, na qualidade de amigo da CDN tentou avisar.

Leia abaixo nota divulgada pela CDN sobre a saída de Sabino:

Recentemente a CDN anunciou a chegada a seus quadros do jornalista Mario Sabino, que vinha somar sua experiência às nossas atividades de comunicação.

Retorno agora o nosso contato para informar que Sabino decidiu trilhar outro caminho profissional. Esta proposta estava entre as que ele recebeu ao deixar a revista Veja.

Desejo todo o sucesso ao Sabino nesta nova fase.

João Rodarte

CDN

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247