Servidora que sumiu com "Globogate" é condenada

Cristina Maris Meinick Ribeiro foi acusada de ter desaparecido com três volumes dos processos de autuação contra a TV Globo da delegacia da Receita em Ipanema, em janeiro de 2007. Caso de sonegação da emissora pode chegar a R$ 615 milhões em valores corrigidos. Ela também vai responder por crimes contra o fisco envolvendo a Forjas Brasileiras, Mundial Produtos de Consumo e P&P Porciúncula. A pena é de 4 anos e 11 meses de prisão

Servidora que sumiu com "Globogate" é condenada
Servidora que sumiu com "Globogate" é condenada
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Justiça Federal condenou à prisão Cristina Maris Meinick Ribeiro, uma ex-funcionária da Receita Federal, acusada de ter desaparecido com três volumes dos processos de autuação contra a TV Globo da delegacia da Receita em Ipanema, em janeiro de 2007.

Segundo denúncia do blog O Cafezinho, a Rede Globo disfarçou a compra dos direitos de transmissão dos jogos da Copa do Mundo de 2002 como investimentos em participação societária no exterior, no que teria resultado na sonegação de R$ 183,14 milhões, em valores não atualizados; somando juros e multa, já definidos pelo fisco, o valor que a Globo devia ao contribuinte brasileiro em 2006 sobe a R$ 615 milhões.

Ribeiro foi filmada, às 15h14 de 2 de janeiro, entrando com uma bolsa vazia na sala onde estavam os processos. Ao sair, às 17h17, carregava duas bolsas com volumes. Segundo o Ministério Público, com o desaparecimento, a Globo ajudou a recompor os autos cedendo cópia dos documentos. Depois disso, a Receita não aceitou a defesa da emissora, que, em 2009, aderiu ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) e parcelou seus débitos.

Ela também vai responder por crimes contra o fisco envolvendo a Forjas Brasileiras, Mundial Produtos de Consumo e P&P Porciúncula.

O julgamento ocorreu em junho deste ano pelo juiz da 3ª Vara Criminal Federal, que a condenou a quatros anos e 11 meses de prisão, além de multa. Em 2007, ela chegou a ser presa preventivamente para evitar riscos às investigações. Agora, segue em liberdade até novo julgamento, ainda sem data.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247