Macedônia volta a usar gás lacrimogênio contra migrantes

Polícia da Macedônia lançou gás lacrimogêneo e granadas com gás de pimenta contra uma centena de migrantes que se manifestavam ao longo da fronteira com a Grécia, três dias depois de incidentes semelhantes terem deixado dezenas de feridos; polícia lançou o gás quando cerca de 100 migrantes forçavam a vedação de arame farpado em protesto contra o fechamento da fronteira da Macedônia; no domingo (10), pelo menos 260 migrantes ficaram feridos quando a polícia da Macedônia lançou gás lacrimogêneo contra centenas de migrantes que tentaram forçar a vedação

Imigrante arremessando lata de gás lacrimogêneo atirada pela polícia no vilarejo de Idomeni, na fronteira entre Grécia e Macedônia. 13/04/2016 REUTERS/Stoyan Nenov
Imigrante arremessando lata de gás lacrimogêneo atirada pela polícia no vilarejo de Idomeni, na fronteira entre Grécia e Macedônia. 13/04/2016 REUTERS/Stoyan Nenov (Foto: Paulo Emílio)

Lusa - A polícia da Macedônia lançou hoje (13) gás lacrimogêneo e granadas com gás de pimenta contra uma centena de migrantes que se manifestavam ao longo da fronteira com a Grécia, três dias depois de incidentes semelhantes terem deixado dezenas de feridos.

Segundo um repórter da agência France Presse, a polícia lançou o gás quando cerca de 100 migrantes forçavam a vedação de arame farpado em protesto contra o fechamento da fronteira da Macedônia.

A centenas de metros, do lado da fronteira da Macedônia ocorria uma visita oficial dos presidentes da Macedônia, Gjorge Ivanov, da Croácia, Kolinda Grabar Kitarovic, e da Eslovênia, Borut Pahor, ao Centro de Acolhimento de Migrantes de Gevgelija.

Quando começaram os incidentes, cerca de 40 policiais gregos se posicionaram entre a vedação e os migrantes e os disparos de gás lacrimogêneo pararam rapidamente, segundo o jornalista. Os migrantes continuaram o protesto.

No domingo (10), pelo menos 260 migrantes ficaram feridos quando a polícia da Macedônia lançou gás lacrimogêneo contra centenas de migrantes que tentaram forçar a vedação.

A organização não governamental Médicos Sem Fronteiras disse ter atendido migrantes com ferimentos provocados por balas de borracha, mas o governo da Macedônia negou a utilização desse tipo de projétil

Os incidentes de domingo foram condenados por Atenas, mas Skopje responsabilizou as autoridades gregas, acusando-as de passividade diante da tentativa dos migrantes de derrubar a vedação.

Apesar das múltiplas saídas para centros de acolhimento feitas desde domingo, 10.600 pessoas permaneciam hoje no campo improvisado de Idomeni, do lado grego da fronteira.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247