Na Argentina, milhares comparecem em ato antiaborto

O movimento antiaborto vem se mobilizando contra o avanço de legislação que regulamenta o aborto na Argentina; ato acorreu na última sexta-feira (28)

Ato em 2019
Ato em 2019 (Foto: Martin Acosta/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters Brasil - Milhares de pessoas manifestaram-se no sábado nas portas do Congresso argentino em repúdio ao projeto de lei enviado recentemente pelo governo para legalizar o aborto, um tema polêmico em um país com maioria de habitantes católicos.

A mobilização foi replicada nas principais cidades do interior argentino.

O presidente Alberto Fernández enviou dias atrás a iniciativa publicamente promovida pelos movimentos de mulheres que há anos pedem sua aprovação.

“Aqui estamos nós para defender as duas vidas, a da mãe e a do bebê, então, de uma forma pacífica, queremos dizer ao governo e aos legisladores que eles estão errados se aprovarem essa aberração”, disse Lorena Giacchino, uma estudante de 27 anos.

Mulheres com menores nas mãos, famílias inteiras e padres foram vistos entre os manifestantes pacíficos, a maioria dos quais exibia lenços azul-claro, um símbolo daqueles que se opõem à legalização do aborto.

Em meio à pandemia da COVID-19, e com maior uso de máscaras, faixas com frases como "Lutando por quem não tem voz", "Vamos salvar as duas vidas" e "Legal ou ilegal, o aborto mata”, enquanto as bandeiras argentinas voavam no meio da multidão.

"Eu sofri abuso aos 18 anos e obviamente no começo pensei em fazer um aborto, também pensei em desistir para adoção e até pensei em cometer suicídio", disse Lilian González à Reuters TV.

“Pensei nisso, tinha a possibilidade porque se meu filho não tinha o direito de viver, eu também não tinha. Graças a Deus consegui reagir a tempo, não cometer suicídio e ter meu filho, meu filho hoje está com 30 anos e é o maior orgulho da minha vida ”, acrescentou com óbvios sinais de emoção.

A iniciativa oficial, que conta com amplo respaldo social, mas é fortemente questionada por setores religiosos, legalizará a “interrupção voluntária da gravidez”.

Na Argentina existe uma lei de 1921 que só permite a interrupção voluntária da gravidez quando há risco grave para a mãe ou em caso de estupro. Mas ativistas dizem que as mulheres muitas vezes não recebem atendimento adequado, citando diferenças por região e classe social.

Em 2018, o projeto de descriminalização do aborto chegou ao parlamento, mas por pouco não conseguiu se tornar lei.

“O debate não é dizer sim ou não ao aborto. Os abortos ocorrem de forma clandestina e colocam em risco a saúde e a vida das mulheres que os praticam. Portanto, o dilema que devemos superar é se os abortos são realizados clandestinamente ou no sistema de saúde argentino”, disse Fernández recentemente.

O projeto não foi encaminhado previamente ao Legislativo devido à chegada do coronavírus, que causou uma das quarentenas mais rígidas do mundo na Argentina.

Na terra natal do Papa Francisco, a busca pelo aborto legal, seguro e gratuito tem sido uma luta de feministas e de campanhas como #NiUnaMenos e #MareaVerde, que inspiraram outros movimentos feministas na América Latina.

O aborto é ilegal em quase toda a América Latina, uma das partes mais perigosas do mundo para uma mulher. Dos 21 países da região predominantemente católica, apenas Cuba, Uruguai, Guiana e Porto Rico legalizaram a prática sem condições.

Reportagem de Jorge Otaola; reportagem adicional da Reuters TV

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247