Orçamento de Trump para 2018: mais dinheiro para defesa, menos gastos domésticos

O presidente dos EUA Donald Trump apresenta nesta quinta-feira (16) sua proposta para o orçamento do ano fiscal de 2018, com aumento dos gastos militares e corte dos programas domésticos e da ajuda externa; o orçamento prevê um aumento de US$ 52 bilhões para o Departamento de Defesa em relação ao orçamento aprovado de 2017 (sob a administração Barack Obama), que foi de cerca de US$ 522 bilhões

Presidente dos EUA, Donald Trump. 07/03/2017 REUTERS/Carlos Barria
Presidente dos EUA, Donald Trump. 07/03/2017 REUTERS/Carlos Barria (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Sputnik Brasil

O presidente dos EUA Donald Trump apresenta nesta quinta-feira (16) sua proposta para o orçamento do ano fiscal de 2018, com aumento dos gastos militares e corte dos programas domésticos e da ajuda externa.

Confira os destaques da proposta, segundo selecionados pela Reuters:

DEFESA

O orçamento prevê um aumento de US$ 52 bilhões para o Departamento de Defesa em relação ao orçamento aprovado de 2017 (sob a administração Barack Obama), que foi de cerca de US$ 522 bilhões. Há um aumento adicional de US$ 2 bilhões em gastos com defesa em outros departamentos, incluindo Energia e Estado.

A verba, entretanto, ainda é menor do que alguns republicanos no Congresso haviam pedido, incluindo os chefes dos comitês do Senado e da Câmara que supervisionam as atividades militares dos EUA.

O plano destina-se a novos fundos para acelerar a luta contra os militantes do Daesh (autodenominado Estado Islâmico), reverter as reduções de tropas do exército norte-americano, construir mais navios para a Marinha e fortalecer a Força Aérea – inclusive comprando mais aviões F-35 construídos pela Lockheed Martin.

SEGURANÇA INTERNA

O Departamento de Segurança Interna teria um aumento de 6,8 por cento em sua verba, com mais dinheiro para financiar as equipes extras necessárias para capturar, deter e deportar imigrantes ilegais.

Trump também quer que o Congresso desembolse US$ 1,5 bilhão no ano fiscal corrente para ejudar em sua promessa de um muro na fronteira com o México, e mais US$ 2,6 bilhões no ano fiscal de 2018.

AJUDA EXTERNA

O orçamento combinado do Departamento de Estado e da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) cairia em 28%, com cortes de recursos para as Nações Unidas, mudanças climáticas e programas de intercâmbio cultural. O plano preserva US$ 3,1 bilhões em ajuda de segurança para Israel.

O orçamento também solicita US$ 12 bilhões para as chamadas Operações de Contingência no Exterior, financiamento para custos extraordinários, principalmente em zonas de guerra como o Afeganistão, o Iraque e a Síria.

Serão mantidos os compromissos atuais relativos ao tratamento do HIV no âmbito do PEPFAR, o Plano de Emergência do Presidente para o Alívio da AIDS. O PEPFAR é o maior fornecedor mundial de medicamentos contra a doença e desfruta de apoio bipartidário nos EUA.

PROTEÇÃO AMBIENTAL

O orçamento da Agência de Proteção Ambiental seria cortado em 31%, eliminando seus programas de mudança climática e cortando as principais iniciativas destinadas a proteger a qualidade do ar e da água.

A proposta eliminaria 3.200 funcionários da agência, ou 19% da força de trabalho atual, e efetivamente acabaria com as iniciativas do ex-presidente Barack Obama para combater as mudanças climáticas, cortando o financiamento para a assinatura do Plano de Energia Limpa, que visa reduzir as emissões de dióxido de carbono.

SAÚDE

Sob o orçamento proposto, as empresas da área de saúde, como fabricantes de medicamentos e fabricantes de dispositivos, pagarão mais do que o dobro em 2018 para que seus produtos médicos sejam revisados para aprovação pela Food and Drug Administration.

A proposta prevê mais de US$ 2 bilhões em taxas a serem cobradas da indústria.

TRANSPORTE

A supervisão do controle de tráfego aéreo passaria do governo federal para um grupo privado sob a proposta de Trump, que inclui um corte de 13% para o orçamento discricionário do Departamento de Transportes.
O plano também pede que o orçamento da NASA seja reduzido em 0,8%, para US$ 19,1 bilhões.

ENERGIA

O orçamento para o Departamento de Energia incluiria US$ 120 milhões para reiniciar o licenciamento para o depósito de resíduos nucleares de Yucca Mountain proposto em Nevada, um projeto que foi paralisado por anos devido a ações judiciais e à oposição local.

AGRICULTURA

Os gastos discricionários do Departamento de Agricultura seriam reduzidos para US$ 17,9 bilhões, uma queda de 21% em relação aos níveis de financiamento temporários de 2017 aprovados pelo Congresso no final do ano passado.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247