Primeiro-ministro australiano abre as portas do país para Assange: "poderia ​​voltar para casa"

O primeiro-ministro australiano Scott Morrison anunciou na terça-feira (5) que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, estará livre para voltar para a terra natal, a Austrália

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A juíza do Tribunal de Londres, Vanessa Baraitser, negou a extradição do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, aos EUA. Departamento de Justiça norte-americano afirmou que vai apelar da decisão.

O primeiro-ministro australiano Scott Morrison anunciou na terça-feira (5) que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, estará livre para voltar para a terra natal, a Austrália, assim que sua batalha legal no Reino Unido terminar.

"Bem, o sistema de justiça está fazendo o seu caminho e não participamos disso. E como qualquer australiano, eles recebem apoio consular e, você sabe, se o recurso falhar, obviamente ele [Assange] poderia retornar à Austrália como qualquer outro australiano", afirmou Morrison à rádio local 2GB e reproduzido pela agência Reuters.

Nesta segunda-feira (4), a juíza do Tribunal de Londres, Vanessa Baraitser, negou a extradição de Assange aos EUA. Na decisão, Baraitser considerou as condições de saúde de Assange, que sofre de diversas doenças mentais.

O Departamento de Justiça norte-americano, que expressou sua decepção com a decisão, tem até meados de janeiro para entrar com um recurso contra a sentença, e já indicou sua intenção de fazê-lo.

De acordo com os advogados de Assange, o caso do fundador do WikiLeaks ainda se estenderá por anos, podendo ser levado ao Supremo Tribunal britânico ou Tribunal Europeu de Direitos Humanos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email