Brigada de supercientistas para combater o fim do mundo

Muitos cientistas estão convencidos de que o desenvolvimento da tecnologia humana poderá em breve apresentar novos riscos de extinção, tanto para a espécie humana quanto para a totalidade do planeta

Muitos cientistas estão convencidos de que o desenvolvimento da tecnologia humana poderá em breve apresentar novos riscos de extinção, tanto para a espécie humana quanto para a totalidade do planeta
Muitos cientistas estão convencidos de que o desenvolvimento da tecnologia humana poderá em breve apresentar novos riscos de extinção, tanto para a espécie humana quanto para a totalidade do planeta (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247



Por: Equipe Oásis

Reunidos numa associação cujo nome parece o título de um romance de ficção científica – o Cambridge Centre for the Study of Existential Risk (http://cser.org/), Centro Cambridge para o estudo do risco existencial – o astrofísico Stephen Hawking, o astrônomo Martin Rees, o filósofo Huw Price e vários outros acadêmicos de mente brilhante e reconhecida fama internacional compilaram neste mês de setembro uma lista dos perigos que podem destruir o globo terrestre ou, pelo menos, os seus habitantes. Desse encontro surgiram algumas propostas de soluções que, implementadas, seriam capazes de evitá-los.

As preocupações desses grandes cientistas não são anódinas e muito menos destituídas de fundamento. O fim do mundo é uma hipótese real, sobretudo no que diz respeito ao fim da espécie humana sobre a Terra.

O choque de um meteorito gigante com a Terra poderia provocar uma nova extinção de massa


Vários são os fatores que podem conduzir a esse apocalipse. A lista começa com a inteligência artificial. Computadores e todo o séquito de funções de que são capazes atingiram hoje um nível tecnológico tão sofisticado a ponto de poder assumir o controle do mundo e, em seguida, decidir o extermínio dos humanos. O cineasta Stanley Kubrick já tinha imaginado uma situação do gênero em seu filme "2001 Odisseia no Espaço", mas as coisas agora poderiam acontecer em escala muito maior. Exagerado? Não, a possibilidade é real, sobretudo quando se sabe que entidades puramente matemáticas como os algoritmos decidem milhões de transações financeiras a cada segundo.

Um virus letal, criado pelo homem e resistente a todo tipo de medicamento, poderia escapar ou ser roubado do laboratório. Espalhado no mundo, ele poderia matar milhões de pessoas.


As coisas que nos ameaçam

A seguir, na lista, estão os ataques cibernéticos, uma onda de atentados terroristas digitais capazes de embaralhar absolutamente tudo, do fornecimento de energia às comunicações, dos transportes às redes de computadores. Logo depois a lista das ameaças cita-se o risco de uma infecção bacteriológica mundial, uma peste criada em laboratório que vá parar nas mãos de um louco niilista, um ditador sanguinário ou os comandantes de uma guerra civil fratricida. Há também a possibilidade de uma pandemia, o surgimento de um vírus resistente a todo antibiótico que nenhuma vacina poderá curar.

Outras ameaças para a humanidade aventadas nesse encontro de cientistas do Centro Cambridge: uma sabotagem da cadeia alimentar; condições atmosféricas extremas provocadas pelas mudanças climáticas, com consequentes inundações, furacões, terremotos; um ou mais asteroides que se chocam com a Terra; para encerrar, a sempre presente hipótese da guerra termonuclear, ou química, ou até mesmo convencional se combatida com a devida intensidade.

Lord Rees, astrônomno britânico, é um dos promotores do Centro de Cambridge

"Vivemos num mundo cada vez mais interconectado, cada vez mais tecnológico e dependente da web", afirma lord Rees, ex-presidente da Royal Society e um dos promotores do encontro. "A nós ocidentais o mundo atual pode parecer mais seguro do que jamais foi no passado, mas a verdade é que nosso mundo é muito mais vulnerável agora do que parece. E já que os líderes políticos estão concentrados apenas nos problemas de curto prazo, é necessário que alguém sugira à opinião pública internacional quais são os perigos mais realistas e com quais meios seria possível impedi-los".

Stephen Hawking, célebre astrofísico,faz parte do grupo de Cambridge

Os cientistas do grupo de Cambridge não são, no entanto, pessimistas: permanecem otimistas, apesar de tudo, convencidos de que o homem dispõe de recursos para sobreviver e enfrentar qualquer ameaça. Mas ao mesmo tempo advertem que os riscos mais graves, para o nosso planeta, hoje não provêm do cosmos ou da natureza, mas sim da ação do próprio homem. "O fim do mundo não é um roteiro de cinema", adverte o astrônomo Rees. E o final feliz, diferente do que acontece nos filmes, depende dos espectadores. De todos nós.

Elenco dos atores do apocalipse:

A rede mundial de computadores pode se voltar contra seus criadores, os homens, e tentar destruir a espécie

A tecnologia inteligente – Uma rede de computadores poderia se tornar uma "mente" e utilizar seus recursos para atingir os seus próprios objetivos, às custas das necessidades humanas.

Os cyber ataques – As redes de energia, o controle do tráfego aéreo e das comunicações estão hoje sob o comando de sistemas de computadores interconectados. Se esses networks forem destruídos pela ação de terroristas, isso representaria o colapso da nossa sociedade.

O bioterrorismo – Um super vírus criado pelo homem ou uma bactéria escapada de um laboratório ou liberada por terroristas poderia causar a morte de milhões de pessoas.

O tema dos robôs que se voltam contra o homem já foi usado por cineastas como Stanley Kubrick, em seu filme 2001 Odisseia no Espaço

 

A falta de alimento – Graças às mega redes de distribuição, muitas nações ocidentais possuem reservas de comida suficientes para 48 horas. Qualquer interrupção nos fornecimentos causaria revoltas populares e aquisições maciças ditadas pelo pânico.

O asteroide – O impacto de um grande asteroide com a Terra destruiria a espécie humana. Isso já ocorreu no passado remoto, causando, como tudo leva a crer, a extinção dos dinossauros.

O clima – Visto que a temperatura média da Terra continua subindo, poderemos chegar nas próximas décadas a um ponto crítico no qual os desastres naturais sofreriam uma piora irreversível.

As pandemias – Devido às viagens internacionais, um novo vírus assassino, surgido a partir de mutações genéticas de vírus animais, poderia se difundir em todo o mundo em poucos dias.

Uma guerra atômica poderia desencadear reações nucleares em cadeia que dizimariam todo ser vivo na face da Terra

A guerra – O aumento das populações, sobretudo nos países pobres e nos em via de desenvolvimento, poderão esgotar as reservas de comida e de água potável. Para se apoderar dos bens necessários, muitas guerras poderiam ser desencadeadas.

O apocalipse nuclear – No caso do emprego da bomba atômica por um país, poderia ser desencadeado um conflito mundial. Ogivas nucleares poderiam cair nas mãos de terroristas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247