Bivar desmente Bolsonaro sobre retorno ao PSL: "não há qualquer negociação"

Presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, afirmou que não existe qualquer negociação para que ele retorne ao partido como dito por Jair Bolsonaro em uma transmissão pela internet nesta quinta-feira (13). "Isso não foi posto na mesa e não está sendo discutido”, disse Bivar

Luciano Bivar e Bolsonaro
Luciano Bivar e Bolsonaro (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado e presidente nacional do PSL, Luciano Bivar (PE), desmentiu Jair Bolsonaro e afirmou que não existe qualquer negociação para que ele volte a integrar as fileiras do partido. "Isso não foi posto na mesa e não está sendo discutido”, disse Bivar ao jornalista Tales Faria, do UOL. Em sua live desta quinta-feira (13), Bolsonaro disse que havia recebido propostas de filiação de três partidos, entre eles o PSL e o PTB, do ex-deputado Roberto Jefferson. 

Segundo Bivar, "o que há é um grupo de deputados que está em contato com o partido para revisionar as punições, com o argumento de que, com a extinção da Aliança Pelo Brasil, perdeu-se o motivo de punibilidade”. “O PSL vota aquilo que é bom para o país. Isso faz com que haja alguma coincidência de ideias nas votações. Mas é só isso. Não há qualquer negociação", completou. 

Bolsonaro, que foi eleito pelo PSL, deixou o partido em 2018 após virem à tona denúncias de uso de candidaturas laranjas durante a campanha eleitoral de 2018. Na época, ele acusou Luciano Bivar de ser um dos responsáveis pelo esquema. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247