Brasil é alvo de proposição de inquérito na ONU pela primeira vez no período democrático

Pela primeira vez em sua democracia, o Brasil é alvo de uma recomendação oficial para que ocorra uma investigação internacional sobre o governo Bolsonaro por suas políticas ambientais e de direitos humanos. A ideia partiu do relator especial da ONU Baskut Tunkat

Jair Bolsonaro e Baskut Tunkat, responsável pelos temas de resíduos tóxicos e direitos humanos da ONU
Jair Bolsonaro e Baskut Tunkat, responsável pelos temas de resíduos tóxicos e direitos humanos da ONU (Foto: ABR | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Pela primeira vez em seu período democrático, o Brasil é alvo de uma recomendação oficial para que uma investigação internacional ocorra sobre o governo Jair Bolsonaro por suas políticas ambientais e de direitos humanos. A iniciativa partiu do relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU), Baskut Tunkat. 

Para que a investigação ocorra, governos têm de apresentar um projeto de resolução e aprovar a proposta por um voto da maioria. O texto deve ser entregue ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, no final desta semana, de acordo com informações publicadas pelo jornalista Jamil Chade

O relator fez uma missão ao Brasil no final de 2019 e identificou diversas violações nas obrigações ambientais e de direitos humanos do País, informa a reportagem. "Se deixada sem controle, a situação no Brasil se transforma não apenas em uma catástrofe nacional, mas também em uma catástrofe com repercussões regionais e globais fenomenais, incluindo a destruição de nosso clima", alertou o documento.

Foram avaliadas queimadas, ataques contra ativistas de direitos humanos, a resposta de autoridades ao derramamento de petróleo nas praias nordestinas, e ao rompimento da barragem de Brumadinho e Mariana, cidades de Minas Gerais. 

"Boiada" de Salles

O relator da ONU destacou "vídeos recentes de ministros conspirando para usar a crise do coronavírus para enfraquecer as proteções validam as preocupações". Ele fez referência à divulgação de conteúdo de um vídeo da reunião ministerial que aconteceu no dia 22 de abril, quando Salles sugeriu que o governo deveria aproveitar a atenção da imprensa voltada à pandemia de Covid-19 para aprovar "reformas infralegais de desregulamentação e simplificação" na área do meio ambiente e "ir passando a boiada".

Uso de pesticidas

O órgão também citou o aumento do uso de pesticidas no Brasil em mais de 338% desde 2000. "O Brasil tem estado entre os três maiores consumidores de pesticidas do mundo, e às vezes o maior consumidor por mais de uma década", alertou.

"Trinta por cento dos ingredientes ativos (116 de 393 substâncias) no Brasil não são aprovados na UE", constatou o relator da ONU. "Somente em 2019, o Brasil permitiu a introdução de 474 novos produtos pesticidas", continuou. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247