CNT/MDA: fim das ilusões para Ciro e Alckmin e empate de Haddad com Bolsonaro

De acordo com a jornalista Helena Chagas, se os demais institutos confirmarem os resultados da CNT/MDA, "teremos nos próximos dias o fim das ilusões de Ciro Gomes e Geraldo Alckmin de reverter o quadro para o segundo turno e um embate final em que o petista sairá na frente"

CNT/MDA: fim das ilusões para Ciro e Alckmin e empate de Haddad com Bolsonaro
CNT/MDA: fim das ilusões para Ciro e Alckmin e empate de Haddad com Bolsonaro (Foto: Dir.: em cima (Stuckert))
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "A pesquisa CNT/MDA divulgada neste domingo trouxe o primeiro empate entre Jair Bolsonaro (28,2%) e Fernando Haddad (25,2%)", reforça a jornalista Helena Chagas. "Mas o principal traço da pesquisa é a confirmação da tendência de crescimento do petista e a chance de que ele chegue ao primeiro turno na frente do adversário".

De acordo com a jornalista, "a CNT/MDA também fulmina os argumentos da propaganda de Geraldo Alckmin na TV, mostrando cenários de segundo turno em que o candidato do PSDB é derrotado tanto por Bolsonaro (37% a 33,6%) quanto por Haddad (39,8% a 28,5%)".

"O tucano tem 7,3% no primeiro turno, atrás de Ciro Gomes, com 9,4%,a uma distância praticamente insuperável dos dois primeiros lugares a uma semana da eleição". "Se os demais institutos confirmarem esses resultados ao longo da última semana de campanha, teremos nos próximos dias o fim das ilusões de Ciro Gomes e Geraldo Alckmin de reverter o quadro para o segundo turno e um embate final em que o petista sairá na frente".

Leia a íntegra no site Os Divergentes

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247