Cunha revela papel de Rodrigo Maia no golpe contra Dilma: “estava desesperado pelos holofotes”

Em seu livro-bomba sobre o golpe, "Tchau Querida, o Diário do Impeachment", o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha afirma que Rodrigo Maia queria desesperadamente aproveitar o processo de afastamento de Dilma Rousseff para ter projeção

Eduardo Cunha e Rodrigo Maia
Eduardo Cunha e Rodrigo Maia (Foto: Gustavo Bezerra/PT | Najara Araújo/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em seu livro-bomba "Tchau Querida, o Diário do Impeachment", o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-RJ) afirma que o deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), hoje na Presidência da Casa atualmente, "era um personagem desesperado pelos holofotes do impeachment de Dilma".

De acordo com o livro, Maia queria a relatoria da Comissão Especial do Impeachment, mas o emedebista vetou por acreditar que ele não teria forças para a tarefa.

Em seu livro, Cunha destacou que o então vice-presidente Michel Temer foi o grande conspirador para o impeachment de Dilma

A então presidente foi acusada de ter cometido as chamadas "pedaladas fiscais", porém foi inocentada pelo Ministério Público Federal. O procurador da República Ivan Cláudio Marx, responsável pelo caso aberto no MP do Distrito Federal, pediu arquivamento do inquérito em julho de 2016. Em sua decisão, Marx levantou suspeitas sobre "eventuais objetivos eleitorais" com as "pedaladas".

Em junho daquele ano, uma perícia realizada por técnicos do Senado entregue  à comissão do impeachment apontou que Dilma não praticou as "pedaladas".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247