Gleisi exige retratação do Santander e ingressa com interpelação extrajudicial

Deputada federal e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, pede uma retratação pública do Santander e um posicionamento sobre a relação contratual com a consultoria que produziu o relatório de análise política que indica a articulação de possível golpe contra Lula

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Amanda Perobelli | Cleia Viana/Câmara dos Deputados)


247 - A deputada federal e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, cobrou do Santander medidas contra o relatório encaminhado a clientes sugerindo um golpe contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para impedir a sua candidatura à corrida presidencial em 2022.

A carta encaminhada à presidente da instituição financeira, Ana Botín, e ao conselho de administração do banco, diz que  “o relatório ofende não apenas o ex-presidente e seu partido. Ofende a verdade e o Poder Judiciário do Brasil”. 

O documento produzido por uma empresa de consultoria independente e enviado aos clientes do Santander, diz que o retorno de Lula ao poder é "uma ameaça bem mais séria" que o governo Jair Bolsonaro e que “é possível especular sobre um golpe para evitar o retorno de Lula", afirma o relatório. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Hoffmann ressalta na carta que "a divulgação do documento por instituição financeira com sede em outro país revela-se ainda mais descabida pelas menções que faz à alegada conveniência de um golpe de Estado no Brasil ou de uma nova condenação política de Lula, para evitar sua eleição". 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda segundo ela, o relatório do Santander "estimula uma visão golpista e antidemocrática em relação ao processo eleitoral brasileiro”. 

Leia a íntegra da carta enviada por Gleisi Hoffmann ao Banco Santander:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"É de conhecimento geral a divulgação pelo Banco Santander no Brasil a seus clientes, na última semana, de documento injurioso ao Partido dos Trabalhadores e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ao fazer referência ao que chama de “máquina de corrupção do governo Lula”, tal documento ofende não apenas o ex-presidente e seu partido. Ofende a verdade e o Poder Judiciário do Brasil.

É fato de repercussão mundial que o Supremo Tribunal Federal, em julgamentos realizados em março e abril deste ano, anulou todas as condenações ilegais e injustas impostas a Lula pelo ex-juiz Sergio Moro, declarado suspeito, parcial e incompetente nas decisões do STF.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A este julgamento, que restabeleceu a inocência do ex-presidente perante a lei e a Constituição do Brasil, somam-se outras 12 decisões judiciais em diversas instâncias que o absolveram plenamente diante de denúncias sem justa causa.

Dentre estas decisões, destaca-se sentença da 12ª. Vara da Justiça Federal de Brasília, de dezembro de 2019, que absolveu Lula, ex-ministros e dirigentes do PT da falsa acusação de formação de quadrilha para desviar recursos públicos.

Além de declarar a absoluta improcedência da acusação, o juiz federal Marcus Vinícius Reis Bastos apontou na sentença: “A denúncia apresentada, em verdade, traduz tentativa de criminalizar a atividade política”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tais decisões judiciais, claríssimas, contrastam com a afirmação leviana e desprovida de qualquer argumento ou prova que se apresenta no documento distribuído pelo Banco Santander a seus clientes e investidores no Brasil.

A divulgação do documento por instituição financeira com sede em outro país revela-se ainda mais descabida pelas menções que faz à alegada conveniência de um golpe de Estado no Brasil ou de uma nova condenação política de Lula, para evitar sua eleição.

A manifestação pública da instituição sobre o episódio, divulgada em 13 de agosto, é totalmente insatisfatória ante a gravidade dos fatos.

Não se trata de permitir a circulação de análises, livre de censura, como alega o banco em sua manifestação. Trata-se de divulgar e revestir com sua credibilidade um texto que, além de ofensivo a uma corrente política legítima, estimula uma visão golpista e antidemocrática em relação ao processo eleitoral brasileiro.

Tais fatos, gravíssimos, cobram mais que uma retratação pública do Grupo Santander pelas ofensas a Lula e ao PT. Exigem que se posicione também sobre a relação contratual com a empresa que produziu o texto divulgado nos canais institucionais do Santander.

Sem prejuízo do atendimento à interpelação extrajudicial que estamos encaminhando à direção-executiva e ao Conselho de Administração do Banco Santander, são estes os posicionamentos que aguardamos, em respeito devido à verdade, ao nosso partido e nossos dirigentes; em respeito à Justiça e à democracia no Brasil.

Atenciosamente

Gleisi Hoffmann,

Presidenta Nacional do Partido dos Trabalhadores"

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email