'Governo não defende nova Constituição', diz Hamilton Mourão

"Isso ai [nova Constituição] já me pronunciei durante a campanha eleitoral. Não tem mais o que falar porque a posição do governo hoje não é essa", disse o vice

Hamilton Mourão
Hamilton Mourão (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Na terça-feira (27), o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que quer um plebiscito sobre nova Constituição.

Vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão disse nesta quarta-feira (28) que a posição do governo é contrária à elaboração de uma nova carta constitucional.

A fala aconteceu na chegada de Mourão ao prédio da vice-presidência nesta manhã. As informações foram confirmadas pelo Estado de São Paulo.

"Isso ai [nova Constituição] já me pronunciei durante a campanha eleitoral. Não tem mais o que falar porque a posição do governo hoje não é essa", sentenciou.

A polêmica a respeito da elaboração de uma nova Carta Magna entrou no debate nacional após o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), ter anunciado na terça-feira (27) que vai enviar um projeto de decreto legislativo (PCD) para realização de um plebiscito sobre a elaboração de uma nova Constituição.

Desde então juristas e parlamentares se posicionaram nas redes sociais sobre o tema.

Na visão de Barros, a Carta de 1988 dá muitos direitos para os cidadãos e fixa poucos deveres, além de ter estabelecido muitos benefícios que o país não pode pagar.

Na terça-feira (27), Ricardo Barros afirmou que esta é uma posição pessoal, e que não tratou do tema com o presidente Jair Bolsonaro nem com integrantes do governo.

"Não consultei o governo e não falei em nome do governo. Eu fui muito claro que era uma posição pessoal minha. Portanto, ninguém do governo me abordou porque na minha fala ficou claro que o governo não estava envolvido nessa questão", disse.

O deputado vai propor que a discussão só aconteça em 2021 para "não competir" com a votação do orçamento e das reformas.

Em recentes postagens em suas redes sociais, o parlamentar promoveu enquetes para saber a opinião de seus seguidores sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247