Planalto reconhece que derrota na reforma trabalhista é mau sinal

Michel Temer se reuniu logo depois do resultado da votação com o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, para avaliar o resultado, que deu ao governo apenas 230 votos, quando o mínimo necessário era 257; "Os líderes da Câmara vão se reunir para avaliar o cenário e se tiver condições põe para votar amanhã novamente", disse à agência Reuters uma fonte do Planalto 

Michel Temer se reuniu logo depois do resultado da votação com o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, para avaliar o resultado, que deu ao governo apenas 230 votos, quando o mínimo necessário era 257; "Os líderes da Câmara vão se reunir para avaliar o cenário e se tiver condições põe para votar amanhã novamente", disse à agência Reuters uma fonte do Planalto 
Michel Temer se reuniu logo depois do resultado da votação com o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, para avaliar o resultado, que deu ao governo apenas 230 votos, quando o mínimo necessário era 257; "Os líderes da Câmara vão se reunir para avaliar o cenário e se tiver condições põe para votar amanhã novamente", disse à agência Reuters uma fonte do Planalto  (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - O Palácio do Planalto reconheceu que a derrota na votação da urgência para a reforma trabalhista foi um "mau sinal", mas é reversível, e tenta reorganizar a base para tentar votar o requerimento novamente na quarta-feira, disseram à Reuters fontes palacianas.

O presidente Michel Temer se reuniu logo depois do resultado da votação com o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, para avaliar o resultado, que deu ao governo apenas 230 votos, quando o mínimo necessário era 257.

"Os líderes da Câmara vão se reunir para avaliar o cenário e se tiver condições põe para votar amanhã novamente", disse uma das fontes.

O Planalto adotou a desculpa dada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de que cometeu um erro regimental ao encerrar muito rápido a votação, impedindo que alguns parlamentares chegassem ao plenário.

"Havia quórum na casa. Mas mais de 40 parlamentares não conseguiram chegar para votar", justificou a fonte. A votação foi encerrada em 16 minutos. "Estavam achando que estava fácil, mas teve resistências", completou a fonte.

O governo admite que terá que "discutir a relação" com alguns partidos da base. Titular do Ministério das Minas e Energia com Fernando Bezerra Filho, o PSB deu 19 dos seus 31 votos contra a urgência. O PR, nove de 27. E mesmo no PMDB, partido do presidente, oito de 48 deputados votaram contra a urgência.

"Não tem como não dizer que não é um mau sinal", disse outra fonte, acrescentando, no entanto, que "é reversível".

(Por Lisandra Paraguassu)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247