Damares diz que campanha de Bolsonaro falhou na comunicação às mulheres

Pré-candidata ao Senado demonstra proximidade com Michelle e afirma que não haverá golpe: “nós vamos ganhar, e a esquerda vai dizer que foi fraude”

www.brasil247.com - Damares Alves, Michelle Bolsonaro e Jair Bolsonaro
Damares Alves, Michelle Bolsonaro e Jair Bolsonaro (Foto: Carolina Antunes/PR)


247 - No centro de um racha da direita no Distrito Federal, a ex-ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos do governo Bolsonaro Damares Alves afirma que sua candidatura ao Senado servirá para pedir votos ao presidente e representar as mulheres conservadoras no local.

Damares foi rifada por Jair Bolsonaro na chapa do governador Ibaneis Rocha (MDB), que disputa a reeleição, e lança a também ex-ministra Flávia Arruda (PL) para o cargo. O ex-governador José Roberto Arruda (PL) fecha o trio tentando se eleger deputado federal. Mas à Folha de S.Paulo, Damares diz que Bolsonaro não chegou a pedir para que ela desistisse.

Na entrevista, a ex-ministra critica o comportamento de Arruda, que disse a correligionários que não pediria votos a Bolsonaro. E faz elogios a Flávia, a quem chama de “Flavinha” e visualiza uma carreira promissora na política. Sobre a primeira-dama, demonstra ter intimidade e deixa clara a preferência de Michelle por sua vitória.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

>>> Bolsonaro usa Michelle para ganhar eleitorado feminino, mas segue com piadas machistas

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A Michelle vai ficar comigo. Inclusive a Michelle brincou dizendo que ela quer coordenar a minha campanha em Ceilândia [região do Distrito Federal]. Ela quer ir na rua pedir voto para mim. O presidente vai ficar neutro. Eu acho que ele não vai se envolver mais. Aqui ele já foi até onde podia ir. E agora é esperar a coerência do Arruda”, disse. Já “o Arruda dizia que eu era uma jocosa, ridícula, fanática. Falou horrores”, relatou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao falar sobre a dificuldade de Bolsonaro com o voto no eleitorado feminino, onde perde com larga distância para o ex-presidente Lula nas pesquisas, ela admite: “perdemos na guerra das narrativas no tocante às mulheres”. Em sua avaliação, “o problema foi na comunicação” do governo.

Questionada se haverá respeito ao resultado das eleições, ela nega a possibilidade de golpe, mas demonstra acreditar em vitória. “o Bolsonaro não é louco. O Bolsonaro não vai liderar nenhum golpe. Ele chamou o povo para as ruas para mostrar que o Brasil é verde e amarelo. Nós vamos ganhar [a eleição]. Então é para que a esquerda não nos acuse de fraude, porque nós vamos ganhar, e a esquerda vai para cima dizer que foi fraude”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email