Deputada bolsonarista Bia Kicis propõe #LeiConstantino, que prevê castração química contra estupradores

"Penas mais duras pra estupradores e castração química para os que quiserem liberdade, sem pôr em risco mulheres, meninos e meninas", afirmou a deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF) sobre a sua proposta, após o acusado de estuprar a blogueira Mariana Ferrer ser absolvido pelo Judiciário de Santa Catarina

Deputada federal Bia Kicis (PSL-DF)
Deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) (Foto: Pablo Valadares/Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) propôs um projeto pela castração química em estupradores. A proposta veio após o juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, absolver o empresário André de Camargo Aranha, de 43 anos, acusado de estuprá-la, em Florianópolis (SC). 

"A #LeiConstantino já tem número. É o PL 5112/20. 51- começa com uma boa idéia. Penas mais duras pra estupradores e castração química p/ os que quiserem liberdade, sem por em risco mulheres, meninos e meninas. Senta o dedo na hastag", escreveu a parlamentar no Twitter. 

A 'Lei Constantino' é uma referência e ao mesmo tempo uma crítica a Rodrigo Constantino. Em live, o jornalista disse que castigaria sua filha e não denunciaria os autores do crime caso ela fosse estuprada em uma festa, acompanhada de um grupo de amigos e depois de ter bebido. Também classificou as mulheres em "decentes" e "piranhas".

Após o comentário, ele perdeu contratos com a Rádio Guaíba e com o Correio do Povo. A Jovem Pan e a Record também decidiram não manter o jornalista em seus quadros. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247