Weintraub presta depoimento à PF e fica em silêncio sobre ataque que fez a ministros do STF

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, prestou depoimento para a Polícia Federal (PF) na manhã desta sexta-feira, 29, em inquérito das Fake News, aberto pelo STF. Ele ficou em silêncio

Ministro da Educação, Abraham Weintraub, na Câmara dos Deputados 15/05/2020
Ministro da Educação, Abraham Weintraub, na Câmara dos Deputados 15/05/2020 (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, prestou depoimento para a Polícia Federal (PF) na manhã desta sexta-feira, 29, em inquérito das Fake News, aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A ordem partiu do ministro do STF Alexandre de Moraes, que preside o inquérito, que apura a disseminação de notícias falsas e ameaças aos ministros do tribunal. O ministro da Educação compareceu na condição de investigado e foi perguntado sobre a declaração feita em reunião ministerial no dia 22 de abril, em que pede a prisão dos integrantes do Supremo, chamando-o de vagabundos.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Abraham Weintraub ficou em silencio sobre o assunto. 

"Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF", disse Weintraub na reunião ministerial. 

O governo federal tentou impedir o depoimento, através do ministro da Justiça, André Luiz Mendonça, entrou com um habeas corpus preventivo no STF. O pedido foi estendido a todos os alvos de mandados de busca e apreensão no inquérito. Na quarta-feira, 27, a PF cumpriu 29 mandados do tipo, contra 17 aliados de Jair Bolsonaro. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247