Lindbergh vai ao CNJ contra supersalários do Judiciário

Líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (PT-RJ), está acionando o CNJ contra o pagamento dos supersalários de juízes e procuradores do Rio; segundo levantamento realizado pela imprensa, no Tribunal de Justiça do Rio, 98,5% dos magistrados tiveram vencimentos brutos acima do limite de R$ 33.763 definido constitucionalmente com base nos ganhos dos ministros do STF; senador acredita que a denúncia merece fiscalização por parte do CNJ diante do agravamento da crise vivida pelo Estado do Rio de Janeiro e dos atrasos no pagamento de subsídios de outros servidores

Líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (PT-RJ), está acionando o CNJ contra o pagamento dos supersalários de juízes e procuradores do Rio; segundo levantamento realizado pela imprensa, no Tribunal de Justiça do Rio, 98,5% dos magistrados tiveram vencimentos brutos acima do limite de R$ 33.763 definido constitucionalmente com base nos ganhos dos ministros do STF; senador acredita que a denúncia merece fiscalização por parte do CNJ diante do agravamento da crise vivida pelo Estado do Rio de Janeiro e dos atrasos no pagamento de subsídios de outros servidores
Líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (PT-RJ), está acionando o CNJ contra o pagamento dos supersalários de juízes e procuradores do Rio; segundo levantamento realizado pela imprensa, no Tribunal de Justiça do Rio, 98,5% dos magistrados tiveram vencimentos brutos acima do limite de R$ 33.763 definido constitucionalmente com base nos ganhos dos ministros do STF; senador acredita que a denúncia merece fiscalização por parte do CNJ diante do agravamento da crise vivida pelo Estado do Rio de Janeiro e dos atrasos no pagamento de subsídios de outros servidores (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Mídia NinjaO líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (PT-RJ), está acionando o CNJ – Conselho Nacional de Justiça contra o pagamento dos supersalários de juízes e procuradores do Rio. Em meio a uma das maiores crises da história, o governo Pezão (PMDB/RJ) segue sem honrar o pagamento de servidores e pensionistas, enquanto paga em dia supersalários acima do teto constitucional.

Segundo levantamento realizado pelo Jornal "O Globo", publicado em 20 de novembro de 2016, no Tribunal de Justiça do Rio, 98,5% dos magistrados — exatamente 848, segundo a folha de agosto — tiveram vencimentos brutos acima do limite de R$ 33.763 definido constitucionalmente com base nos ganhos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

No mês de dezembro, 1.485 juízes e desembargadores receberam muito mais do que o permitido. Em alguns caso, quando somado o 13º salário, alguns magistrados receberam R$ 137.427,52. Mesmo com descontos, os juízes e desembargadores receberam mais de R$ 100 mil. Ao contrário do judiciário estadual, grande parte do funcionalismo não recebeu ainda o 13º salário. Os supersalários do TJRJ se repetem em janeiro, quando 323 magistrados novamente receberam acima do teto. No mês seguinte, de novo, e um número ainda maior: 338 juízes e desembargadores.

As informações foram obtidas no portal da transparência do próprio tribunal, que estava desatualizado desde agosto de 2016. Como os fatos são de enorme gravidade, o senador acredita que merecem fiscalização por parte do Conselho Nacional de Justiça, especialmente diante do agravamento da crise vivida pelo Estado do Rio de Janeiro e dos atrasos no pagamento de subsídios de outros servidores.

De acordo com o art. 27 da Lei estadual nº 5535, de 10 de Setembro de 2009, os subsídios dos desembargadores são equivalentes e limitados a 90,25% do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, ao passo que os subsídios dos juízes são fixados com diferença de 5% dos susbsídios dos desembargadores. Entretanto, malabarismos fazem os subsídios de juízes extrapolarem o teto através de "indenizações", "vantagens" e "gratificações˜.

Para Lindbergh, a gravidade da crise financeira não permite que o Conselho Nacional de Justiça autorize esse tipo de violação dos limites fixados em lei.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247