Miliciano morto em tiroteio era ligado a Flávio Bolsonaro

Morto em uma troca de tiros no estado da Bahia, o ex-capitão Adriano da Nóbrega, acusado chefiar o chamado Escritório do Crime, grupo de matadores profissionais, era ligado o atual senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ). Adriano teve duas parentes nomeadas no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro. Jair Bolsonaro também havia defendido o ex-militar

(Foto: Esq.: ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Morto neste domingo (9) em uma troca de tiros no estado da Bahia, o ex-capitão Adriano da Nóbrega, acusado chefiar o chamado Escritório do Crime, grupo de matadores profissionais, era ligado o atual senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ). O ex-militar é citado na investigação que apura a prática de “rachadinha” no antigo gabinete do parlamentar na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Adriano teve duas parentes nomeadas no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro.

De acordo com o Ministério Público, Adriano controlava contas bancárias para abastecer Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador e amigo de Jair Bolsonaro. Queiroz está envolvido em um esquema de lavagem de dinheiro que ocorria na Alerj quando o filho de Jair Bolsonaro era deputado estadual. Ele movimentou R$ 7 mihões em de 2014 a 2017, de acordo com relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Em 2005, o então deputado Jair Bolsonaro defendeu Adriano, acusado de homicídio, e disse que o ex-militar era um “brilhante oficial”.

“Um dos coronéis mais antigos do Rio de Janeiro compareceu fardado, ao lado da Promotoria, e disse o que quis e o que não quis contra o tenente [Adriano], acusando-o de tudo que foi possível, esquecendo-se até do fato de ele [Adriano] sempre ter sido um brilhante oficial e, se não me engano, o primeiro da Academia da Polícia Militar”, afirmou Bolsonaro, segundo registros da Câmara.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247