A bem-vinda volta de Lupin

Capaz de derrotar seus rivais pela astúcia, o mito do ladrão cavalheiro tem muito a ensinar numa sociedade cada vez mais desigual, escreve Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia

Capaz de proporcionar um rápido riso de vingança diante das tremendas injustiças da vida contemporânea, "Lupin" é uma das boas surpresas do Netflix. 

O universo social da série -- cinco capítulos até agora -- tem um parentesco surpreendente com o sul coreano Parasita, grande vitorioso no Oscar de 2020, ainda que os dois filmes apresentem enfoques muito diferentes. 

PUBLICIDADE

"Parasita" tem a grandeza de  uma obra épica, que cumpre a difícil ambição de mostrar a tragédia de uma família mergulhada nos abismos da injustiça e da falta de perspectivas da sociedade contemporânea,  conseguindo captar o " pavoroso momento de uma civilização humana", como escrevi aqui neste espaço (12/11/2019).  

"Lupin" é uma versão atualizada das aventuras bem humoradas de um dos grandes personagens da cultura de massa da primeira metade do século XX, período em que o cinema engatinhava e a televisão não fora inventada. 

Mito do ladrão cavalheiro, de modos refinados e educação sofisticada, que vence  pela astucia,  sem usar a violência contra inimigos e rivais,  Arsène Lupin foi um colosso industrial: protagonizou de 18 romances, 30 novelas e cinco peças de teatro. Suas aventuras deram várias voltas ao mundo, inclusive no Brasil, onde integravam o repertório de histórias que as crianças de minha geração podiam ouvir de pais e avós.

PUBLICIDADE

Numa série que tem Osmar Sy no papel principal, e vários coadjuvantes em boa atuação, a versão 2021 passou por várias atualizações.  

Sem deixar de inspirar boas gargalhadas, continua servindo como um painel dos dramas da existência dos pobres e excluídos de nosso tempo. 

Capaz de oferecer humor num horizonte social definido, Lupin cumpre uma função cultural sempre bem-vinda. 

PUBLICIDADE

Ao exibir, como protagonista, um cidadão que, nascido e criado nas camadas subalternas da sociedade, é capaz de dominar e vencer seus principais códigos de conduta, o seriado tem muito a ensinar sobre as armadilhas e preconceitos de nosso tempo. 

Alguma dúvida?

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email