A vacina para Bolsonaro já está pronta: se chama Lula

O colunista e editor do 247, Gustavo Conde, afirma que o processo de superação da pandemia e da ‘infodemia’ terão de vir juntos. Ele diz: “a verdade voltará. Não a verdade autoritária dos livros de filosofia eurocêntrica (...) A verdade que voltará é a verdade do processo de significação, a verdade do gesto enunciativo, da fala, do olho no olho”

Judiciário protege Bolsonaro mas Lula segue a grande força da eleição
Judiciário protege Bolsonaro mas Lula segue a grande força da eleição
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por que a mentira chegou com tanta força e ganhou tanta adesão no Brasil nos últimos 5 anos?

Antes, nos anos 90 para se dar apenas um exemplo, o modo mentiroso - e demagógico - de enunciar era quase uma exclusividade dos políticos de direita, como Paulo Maluf.

No plano regional, ele continuou sendo eficiente, elegendo essa casta de oportunistas.

Mas, no plano nacional, a coisa mudou. A direita não encaixava mais um discuso sequer. Anti-popular e burrinha, a direita ia sendo empurrada para o soterramento eleitoral, tomando lavadas do PT.

Era preciso turbinar a mentira, fazer com que as pessoas voltassem a sentir tesão em mentir e a votar em quem mentisse, em escala.

É nesse momento que o jornalismo corporativo rasga a fantasia e parte para derrubar um governo.

O país passa a ter uma engrenagem de produção de mentiras sofisticada e articulada, imprensa e judiciário puxando o pelotão.

Qual a explicação técnica (e histórica) para isso - para além da falta de caráter endêmica desses setores da sociedade?

Resposta: vencer a democracia e a soberania popular dizendo a verdade é praticamente impossível.

O PSDB tentou por 3 vezes tirar o PT fazendo o debate franco - mas envergonhado - do neoliberalismo versus o estatismo ('estatismo' na semântica deles) e perdeu todas.

Ter o PSDB como adversário da democracia e da soberania popular foi umas das melhores coisas que a esquerda jamais sonhou agradecer: era fácil - e gostoso - ganhar do PSDB.

No debate frontal, a dissimulação perde.

Eis a razão para que houvesse uma consagração deliberada pelo modo-mentira de enunciar - cujo subproduto mais emblemático é Jair - Cem Mil Mortes - Bolsonaro.

Ganhar do PT falando a verdade seria impossível.

Os anti-petistas - bolsonaros, baixos-cleros, tucanos, jornalistas de cativeiro, empresários subdesenvolvidos, ultra-esquerdistas e maus perdedores em geral - aceitaram a tarefa de mentir de maneira alucinada e constante para destronar não o PT do governo, mas 'verdade' de cena (o debate técnico e qualificado sobre o país e sobre a sociedade).

O castigo - a maldição - que se recai sobre o Brasil neste momento é o genocídio provocado por esse modo mentiroso de enunciar.

Todos estão paralisados, até o jornalismo 'profissional' - que já se arrependeu de mentir tanto mas que ainda tem vergonha de admitir isso publicamente.

Já há gente querendo que Lula e o PT consertem a imensa besteira que eles mesmos fizeram - porque sabem, conscientemente ou não, que é preciso restabelecer um processo real de debate, baseado em premissas reais e em propósitos reais (verdadeiros).

O problema é que a vergonha é um sentimento muito difícil de superar. Meninos de recados como Ascânio Seleme, do jornal O Globo, costumam ser mais um capítulo do constrangimento geral que é mentir e depois não saber como arcar com as consequências dessa mentira (meu 'recadinho' para a Globo).

Todos começam a querer reavivar as porções 'Lula' de suas identidades fraturadas (todos têm uma porção Lula, como todos têm uma porção Bolsonaro), mas o fazem sem um pingo de autocrítica - e com as calças molhadas diante da impiedade da história.

A verdade voltará. Não a verdade autoritária dos livros de filosofia eurocêntrica. Não a verdade messiânica dos religiosos fanáticos. Não a verdade folclórica dos meios de comunicação autoproclamados 'profissionais'.

A verdade que voltará é a 'verdade linguística', a verdade dos modos de produção do sentido, a verdade do processo de significação, a verdade do gesto enunciativo, da fala, do olho no olho.

Quando isso acontecer, tome-se mais 13 ou 20 anos de PT.

Advirto os leitores céticos desta missiva: não subestimem a si mesmos. Não subestimem a história que os revestem de identidade.

O Brasil e o povo brasileiro já deram um 'jeito' em suas elites tecnocratas e escravocratas uma vez. Darão um jeito de novo - e a segunda onda costuma ser 'pior'.

Assista a entrevista que Lula concedeu a Gustavo Conde: 


A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247