Alckmin repete Mário Covas

www.brasil247.com - Geraldo Alckmin
Geraldo Alckmin (Foto: ADRIANO MACHADO/REUTERS)


Por Paulo Henrique Arantes

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin está prestes a provar que é um conservador sensato, livrando-se em parte da imagem de chefe de uma polícia truculenta e possuidora de esqueletos no armário. Importante lembrar que Alckmin, em 2015, decretou sigilo de até 15 anos para 26 assuntos da PM paulista, entre os quais alguns relacionados a operações, execução orçamentária e agendas do comandante-geral e do subcomandante da instituição. 

Se os temas policiais de fato necessitaram ser escondidos em nome da segurança pública, como se justifica, a atitude de Alckmin foi correta e é usual em qualquer lugar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Alckmin é um governador meio reaça, mas correto”, disse em 2014 Plínio de Arruda Sampaio, ainda depois de falecido uma referência da esquerda católica brasileira. Digamos que Plínio e Alckmin são católicos que nunca rezaram para os mesmos santos – um, da linhagem progressista, atuante em reformas de base; outro, apegado a dogmas da Opus Dei.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fora do PSDB, Alckmin será sempre um tucano, no sentido “clássico” do termo. E esta não é a primeira vez que um pássaro de bico grande e voo curto adere a Lula, ainda que nunca antes ocupando cargo de relevo em chapa eleitoral. Em 1989, Mário Covas jogou todo seu prestígio político em apoio ao petista contra Fernando Collor no segundo turno da eleição presidencial. Como agora, foi uma união contra o mal maior.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quem viveu aqueles dias lembra-se de que o PSDB dividia-se entre os que pretendiam apoiar Collor e os que queriam fechar com Lula. No primeiro grupo estava Fernando Henrique Cardoso, já com cargo prometido num eventual governo do representante da direita. Covas, candidato derrotado no primeiro turno, bateu duro na briga interna, afirmou que deixaria o partido caso fosse formalizado apoio a Collor. Forçou a sigla a abraçar Lula. 

No palanque de esquerda, Covas proferiu discursos contundentes nos inesquecíveis comícios da Praça Charles Miller, São Paulo, em 10 de dezembro, com a presença de Luís Carlos Prestes, e em 13 de dezembro, na Candelária, Rio de Janeiro, ao lado de Leonel Brizola. Fernando Henrique e José Serra também estiveram presentes, mas exibindo sorrisos amarelos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na época, Geraldo Alckmin era deputado federal. Hoje, tem a chance de mostrar  que a personalidade do seu padrinho político vive nele, o que pode ajudá-lo a superar a imagem de coroinha e protetor de policiais violentos.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email