Biden comanda a cúpula da hegemonia e da vergonha

O mundo mudou e a democracia não pode mais ser vendida e imposta pela vontade de uma superpotência, escreve José Reinaldo Carvalho, editor internacional do 247

www.brasil247.com - Presidente dos EUA, Joe Biden, durante "Cúpula pela Democracia". 09/12/2021
Presidente dos EUA, Joe Biden, durante "Cúpula pela Democracia". 09/12/2021 (Foto: REUTERS/Leah Millis)


A chamada "Cúpula pela Democracia", realizada por videoconferência nos dias 9 e 10 de dezembro alcançou ampla repercussão mundial, em razão da propaganda da mídia a serviço da Casa Branca e do Departamento de Estado. Mas essa repercussão não necessariamente se traduzirá em resultados positivos para o imperialismo estadunidense, que poderão ser inversamente proporcionais à sua força e à propaganda das suas propostas. 

Há indicações fortes de que esta cúpula foi mais uma tentativa da superpotência do Norte para instrumentalizar a democracia e os direitos humanos como arma para o exercício de sua hegemonia.  

Os EUA usaram o seu poder na convocação da cúpula, mobilizaram os seus aliados e tudo fizeram para depreciar países como a China, Cuba,  Rússia, Venezuela, Bolívia, entre outros. A lista de convidados foi elaborada segundo critérios arbitrários, presididos por uma lógica hegemonista e ao serviço da estratégia de contenção de países que desempenham fator decisivo para a democratização das relações internacionais, a cooperação global e a paz mundial. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os Estados Unidos realizaram a cúpula sob o slogan de defender a democracia e lutar pelos direitos humanos. Usaram um conceito político para fazer um show e dar um golpe publicitário para vincar uma imagem de país democrático, cada vez mais esmaecida. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas o mundo mudou e a democracia não pode mais ser vendida e imposta pela vontade de uma superpotência, hoje em franco declínio. O mundo hoje é mais diverso, as experiências de organização de sistemas políticos desautorizam qualquer tentativa de usar a democracia como uma mercadoria exportável ou um modelo a ser seguido. A evolução histórica da humanidade já demonstrou que não há modelo único de democracia. 

O sistema democrático e de direitos humanos é uma conquista revolucionária da humanidade, fruto das lutas dos povos, inclusive as revoluções populares e proletárias que levaram os comunistas ao poder em diferentes países. A democracia não é um monopólio dos países dominados pela burguesia. As democracias burguesas adoeceram e até mesmo degeneraram, exibiram limitações e defeitos que não podem ser encobertos com o show de Biden.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas discussões que se desenvolvem há pelo menos duas décadas sobre o declínio dos Estados Unidos como potência mundial, um dos assuntos sobre os quais se dá maior ênfase é a deterioração do seu sistema político, a falsidade da sua democracia, a começar do modelo eleitoral, cada vez mais prisioneiro do domínio do dinheiro, um sistema que se afigura cada vez mais como uma plutocracia e se distancia da democracia. 

A polarização social, as desigualdades, o racismo, as discriminações e violências de todo tipo contra pobres, negros e imigrantes são outros indicadores da decadência da democracia estadunidense. Isto demonstra que é falsa a imagem que os EUA querem fixar e apresentar ao mundo, para pontificar como país líder das forças democráticas.

A cúpula de Biden é um dos instrumentos do arsenal imperialista para impor sua hegemonia nas novas condições do mundo, explicitando métodos e objetivos neocolonialistas. Neste aspecto contam com uma vasta experiência, pontilhada de ações como golpes, intervenções e guerras, inclusive a que é hoje qualificada como híbrida, todas elas feitas sob o argumento de promover os direitos humanos e derrubar presidentes que consideram autocratas e ditadores. Em nome da defesa da democracia e promoção dos direitos humanos, os EUA cometeram crimes de lesa-humanidade. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Agora usam a democracia como slogan para justificar o escopo central de sua política externa - lutar para conter a ascensão da China e o poderio nacional da Rússia. Com isso, dividem o mundo e introduzem fatores de confrontação no sistema internacional, demonstrando que sua política externa está a anos-luz de distância do multilateralismo que apregoam. 

Os EUA querem também esmagar experiências revolucionárias, socialistas, a resistência e a luta anti-imperialistas conduzidas por partidos revolucionários e comunistas.

Estes, por sua vez, procuram dar uma contribuição ao mundo, construindo sistemas de democracia popular com estabilidade política e promoção de direitos humanos, políticos e sociais. 

Biden preparou a sua cúpula da democracia para deixar uma herança positiva, revertendo o declínio do imperialismo estadunidense e afirmando sua liderança. Pode ter colhido um fracasso. Nem todos os países que compareceram concordam com os objetivos de sua política externa e suas ações. Muitos estavam ali protocolarmente, em atitude diplomática. Não querem derrubar pontes nem queimar navios com um país que ao estabelecer boas relações só lhes traz benefícios, como a China. 

Na verdade, com sua cúpula em busca da hegemonia, Biden pode ter deixado um legado de vergonha.   

As forças progressistas e da paz no mundo percebem que a Cúpula de Biden nada tem a ver com democracia, direitos humanos e cooperação internacional. Foi uma trincheira para a imposição da hegemonia estadunidense.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email