Bolsonarismo não pode ser contido sequer com isolamento social

"O encontro mais que fatal entre o novo coronavírus e a ignorância bolsonarista talvez seja o embate civilizatório mais dramático, hoje, em todo o mundo", escreve Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia

Presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores em frente ao Palácio do Planalto durante manifestação, já em meio à epidemia do coronavírus
Presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores em frente ao Palácio do Planalto durante manifestação, já em meio à epidemia do coronavírus (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Leandro Fortes, para o Jornalistas pela Democracia - O encontro mais que fatal entre o novo coronavírus e a ignorância bolsonarista talvez seja o embate civilizatório mais dramático, hoje, em todo o mundo. Isso porque, ao contrário do vírus, o bolsonarismo não pode ser contido sequer com isolamento social, posto ser uma doença mental altamente infecciosa transmitida, sobretudo, por redes digitais. É impossível barrar pelo isolamento social uma doença cujo contágio se dá pela ausência de racionalidade.

Além disso, essa epidemia de ignorância e estupidez ultrapassou a questão ideológica, em si. Os bolsominions, essa designação quase carinhosa que damos a bestas feras, formam um contingente de pessoas altamente frustradas, infelizes e febris de ódio que foram ativadas nas redes sociais pela narrativa de um demente cercado de aventureiros de extrema direita.

Somente isso pode explicar uma família arrancar, apoplética, a máscara de um médico, revoltada com o laudo de suspeita de Covid-19 como causa mortis de um parente, em um hospital público. Aos berros, dispostos a espancar o médico, a turba exigia a retirada do registro porque, simplesmente, decidiu ignorar um protocolo científico. Uma gente motivada pelo imbecil a quem veneram. Este, que escarra no braço e, depois, cumprimenta idosos – o grupo mais vulnerável à pandemia – em aglomerações criminosas.

Também tivemos a dança macabra de débeis mentais, em plena Avenida Paulista, debochando das mortes provocadas pela Covid-19, com caixões nos ombros.

E a tresloucada de Araraquara, interior de São Paulo, presa e algemada, em uma praça pública, por se negar a cumprir a ordem municipal de isolamento social. Para ela, assim como para todos os bolsominions, há uma conspiração comunista por detrás da pandemia de coronavírus.

O que nos leva a outra questão, talvez a nossa missão de futuro mais importante, em curto e médio prazo.

O que vamos fazer com essa gente, quando toda essa loucura passar? Como curar idiotas? Haverá uma cloroquina para isso?

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247