Câmara dolariza a economia e abre guerra contra Senado

Lira prega radicalmente redução do ICMS como argumento de diminuir preços dos combustíveis, em vez de encarar o problema real segundo o qual os reajustes estão sendo produzidos especulativamente pela cotação elevada do dólar conforme preço de paridade de importações corrigidos semanalmente para favorecer acionistas privados da estatal petroleira; tal estratégia antinacionalista tem total apoio do mercado financeiro ao qual Lira está se rendendo

www.brasil247.com - Arthur Lira durante entrevista coletiva em 5 de outubro de 2021
Arthur Lira durante entrevista coletiva em 5 de outubro de 2021 (Foto: Agência Câmara)


O presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL) está se transformando em algoz dos governos estaduais ao se engajar na luta contra eles para defender os especuladores da Faria Lima; Lira prega radicalmente redução do ICMS como argumento de diminuir preços dos combustíveis, em vez de encarar o problema real segundo o qual os reajustes estão sendo produzidos especulativamente pela cotação elevada do dólar conforme preço de paridade de importações corrigidos semanalmente para favorecer acionistas privados da estatal petroleira; tal estratégia antinacionalista tem total apoio do mercado financeiro ao qual Lira está se rendendo; a população ganha em real, mas é obrigada a pagar em dólar o preço da gasolina, do diesel e do gás de cozinha. Lira, portanto, caminha para uma trombada política com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, responsável, institucionalmente, pela defesa dos interesses federativos, estados e municípios. 

Num primeiro momento, Lira conseguiu aprovar a redução do principal tributo estadual, sem o qual governadores, já endividados até a tampa, não conseguem sobreviver, nem econômica nem politicamente, em especial, em tempo de eleição, precedido pela pandemia do novo coronavírus; não terão recursos orçamentários para tocar obras, salvo se for rompido o teto neoliberal de gastos, aprovado pelos golpistas que derrubaram Dilma Rousseff em 2016. 

Desde então, a prioridade absoluta do orçamento é cobrir, em primeiro lugar, despesas com juros e amortizações da dívida, enquanto permanecem congelados por vinte anos gastos sociais com saúde, educação, segurança, infraestrutura etc, isto é, renda disponível indispensável ao desenvolvimento econômico e social equilibrado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confronto federativo à vista

A briga já estourou. Há mais de dez anos, a alíquota de ICMS sobre combustíveis está em torno de 27%; zero de reajuste nesse período; enquanto isso, o preço do dólar, nesse período, especialmente, depois do golpe de 2016, já alterou mais de 100%, e é ele, atualmente, que bombeia as tarifas, furando o bolso dos consumidores e implodindo juro, inflação e dívida pública. Os parlamentares se revelaram inconsequentes e contraditórios contra os interesses dos governadores, embora, da boca para fora, dizem lutar por eles.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vamos aos fatos; desde 1996, FHC, no poder, aprovou, no Congresso, a Lei Kandir, que isenta de imposto as exportações de produtos primários e semielaborados; graças a isso, expandiu-se o agronegócio às custas do empobrecimento federativo; Estados e Municípios dançaram; perderam corrida na industrialização regional sem arrecadação do seu principal tributo, o ICMS; o governo prometeu recompensa pela isenção, mas jamais cumpriu o prometido; são mais de R$ 350 bilhões de prejuízos em defasagens ao longo de 25 anos. Agora, os governos estaduais recebem mais uma facada nas finanças estaduais; corte de alíquota que vai impactar no caixa federativo, enquanto a política econômica neoliberal de Paulo Guedes destrói a Petrobras como agente decisivo do desenvolvimento nacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os parlamentares praticaram demagogia para aparecer ao consumidor que está consumindo o fake news governamental de que os preços dos combustíveis sobem devido ao ICMS que está congelado a uma década; na verdade, a causa do reajuste acima da inflação para os preços da gasolina, diesel, gás etc é outro, ou seja, o sucateamento da Petrobrás pelo governo para favorecer acionistas privados que lucram com o preço de paridade de importação às custas da empobrecida população; deputados e deputadas, na Câmara, traíram os consumidores, focando, erradamente, a causa do problema; o salário arrochado em real com as reformas trabalhistas e previdenciárias, fator de redução da renda disponível para o consumo, não consegue, naturalmente, cobrir o prejuízo acelerado pela cotação da gasolina e do diesel em dólar; o Congresso caminha celeremente para aprofundar dolarização da economia, ou seja, para a precarização do poder de compra que acelera insuficiência de consumo, concentração de renda, desigualdade social, instabilidade cambial e fuga de capital para os paraísos fiscais como o Panamá Papers.

O câmbio impulsionado pelo desemprego, fome e inflação é a causa central do aumento do preço dos combustíveis e não pela alíquota do ICMS que demagogicamente parlamentares à direita, à esquerda e ao centro querem diminuir; trabalham para o sucateamento das finanças estaduais ao lado do que acontece, no mesmo sentido, com a Petrobrás, que vira algoz do povo brasileiro; pinta buraco sem  fim na poupança popular, que aprofunda a insuficiência global de consumo; por isso, ocorre esse absurdo: a inflação sobe enquanto salário e consumo descem; a ortodoxia econômica neoliberal puxa juro para conter a inflação, mas faz, apenas, aumentar dívida pública, que instabiliza o câmbio, causa central do dólar alto, que reajusta os combustíveis. O Senado vai ter que encarar para valer esse problema, se não os senadores enfrentarão dificuldades para se reelegerem; virariam assassinos da bolsa popular; cairão nessa tremenda cama de gato para favorecer os acionistas privados da Petrobrás que ganham os tubos com o bolsonarismo ultrarradical neoliberal?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

https://www.brasil247.com/economia/lira-tenta-justificar-ataque-as-financas-dos-governos-estaduais?fbclid=IwAR2TyIOEGta_TeHuxE_BPPbx4ZdLdUsQU5B4rV35Byb2hiV-86VNw8QR9Uc

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email